A entrevista polêmica de SILVIA PILZ

Escrito por Mhario Lincoln. em: 15/01/2015 | Atualizado em: 15/01/2015

Compartilhe

#SalaSocial: 'Verdade dói', diz colunista que ironizou pobres e planos de saúde

BBC BRASIL.com

Foto: BBC Mundo / Copyright
Ricardo Senra - @ricksenra

Da BBC Brasil em São Paulo

 

Pelas redes sociais, crônica sobre pobres foi alvo de centenas comentários - na maioria, negativos

"O pobre quer ter uma doença. Problema na tireoide, por exemplo, está na moda. É quase chique." "Eu acho que o sonho de muitos pobres é ter nódulos." "A grande preocupação do pobre é procriar."

As opiniões sobre o acesso a planos de saúde pela população de baixa renda, publicadas pela colunista Silvia Pilz na crônica "O plano cobre", do jornal O Globo, foram compartilhadas mais de 15 mil vezes em 24 horas. Alvo de fortes críticas nas redes sociais, a carioca se defende: "Não pediria desculpas", afirma. "Não ofendi ninguém e fiz um texto divertidíssimo."

Em entrevista à BBC Brasil, Pilz diz que "somos todos preconceituosos" e que no humor "vale tudo".

"Quem mais se divertiu com o texto foram os pobres", alega a jornalista, moradora da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. "Os incomodados são da classe média."

 

Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

BBC Brasil: Você esperava essa repercussão?

Silvia Pliz: Jamais.

 

Como recebeu os comentários negativos?

Fiquei perplexa porque o texto é uma sátira. Esperava uma repercussão diferente. Há muitas pessoas que se divertem e outras que se revoltam. Meu blog fala sobre hipocrisia, eu digo ali o que eu penso. É o tipo de assunto que está todo mundo superacostumado a ver em novela da rede Globo. Fiquei um pouco chocada, as pessoas xingam, são brutas. Fiz um texto tolo, corriqueiro, de humor, você escolhe a palavra que achar mais interessante, relatando o cotidiano da classe média. Meus textos são politicamente incorretos, sim, mas acho que muitas pessoas se divertiram muito.

E houve também quem não se divertisse.

Essas pessoas talvez se identifiquem, ou se sintam agredidas com o que está colocado ali. Nem todo mundo entende o humor sarcástico.

Você diz escrever sobre o cotidiano da classe média. Mas a palavra "pobre" aparece de forma bastante enfática em todo o texto.

Eu escrevo sobre o cotidiano de todos nós. Tenho textos falando sobre as coisas da classe "AAA", da classe média. De repente eu virei uma Joana D’Arc por um texto em que uso a palavra “pobre”. Quando na verdade quem mais se divertiu com o texto foram os pobres. Os incomodados são da classe média.

Como sabe que os pobres foram quem mais se divertiu?

Tenho as respostas no Facebook. Inclusive tem o depoimento de um cara que diz "Sou da classe pobre, ri, me diverti, não tem nada disso". As pessoas estão equivocadas, é uma sátira.

Há limites para a sátira? O humor pode se tornar ofensivo ou vale tudo?

Vale tudo.

Mas muita gente diz que você teria sido pejorativa e preconceituosa. Que estaria fazendo graça com a desgraça alheia. Vê coerência nisso?

Zero coerência. Quem não se diz preconceitoso não tem dicionário em casa. Somos todos preconceituosos. Temos um preconceito sobre aquilo que a gente não conhece. Sou uma pessoa lúcida e sei que todo ser humano tem preconceitos. Isso é lucidez. 

Imagino que se inclua.

Então coloque: somos todos preconceituosos. Não eu. Aí fica ruim para mim.

Nesta entrevista, você justifica o que escreveu como crítica ácida, humor. Mas no texto e nas redes sociais você diz que falhou. Falhou ou não falhou?

Olha... é dificil essa resposta. Acho que não falhei. Não pediria desculpas e diria "foi mal, não era bem isso que queria dizer". Jamais. Me posicionei porque vi que a coisa estava pegando fogo e não queria que as pessoas tivessem uma imagem minha diferente do que sou. Realmente acho que, quando fazemos humor e ele precisa ser explicado, significa que foi mal feito. Quando eu digo “falhei”, digo, “falhei como escritora na tentativa de fazer humor”. A reação foi ridícula. E hipócrita também, porque as pessoas são todas bem hipócritas. Fui vítima de um linchamento digital dos militantes da ditadura do politicamente correto.Não ofendi ninguém e fiz um texto divertidíssimo.

Dizer que “pobre gosta de procriar” não seria pejorativo ou ofensivo?

Não. Pobre gosta de procriar. Não é fato? O que dói no leitor é a verdade. Pobre gosta de procriar, você concorda comigo? Eles têm mais filhos do que deveriam ter.

Você convive com pobres em que situações da sua vida?

Eu convivo com pobre como qualquer pessoa da classe média.

Por exemplo?

Deixa eu pensar com que pobres eu convivo (pausa). Que pergunta mais estranha. Eu convivo com... Essa resposta é f*da porque ela pode me sujar, digamos assim, né? Eu convivo com pobres que são professores, bailarinos, músicos, empregadas domésticas, porteiros de prédio, motoristas de ônibus.

Você diz que as pessoas não entenderam a graça do seu texto. Qual é a graça dele?

Eu acho superengraçado. Acho que humor não se explica. A graça do texto são os detalhes. Essa fascinação pelos exames acontece. As pessoas, porque têm plano de saúde, ficam contentes e ávidas por fazerem exames. É uma brincadeira que fiz com uma coisa complicada que é doença. Talvez tenha sido aí o ponto de explosão do texto. A graça é a mudança de comportamento da sociedade com relação às novidades. Como na aviação. Há anos, só as pessoas que tinham dinheiro podiam viajar. Agora temos passagens a preços acessíveis e isso gera situações cômicas.

Você falou sobre o dicionário. Muita gente apontou um erro seu: a palavra “exige” escrita com "J", que depois foi corrigida. Também achou engraçado?

Achei (silêncio). Inclusive teve um cara que me chamou de Caco Antibes e quando eu fiz a correção eu disse: ‘Magda fez a correção’. Mas isso precisa aparecer na entrevista?

Foi só uma pergunta.

Porque eu acho que isso me ridiculariza.

Gostaria de deixar alguma mensagem aos leitores ou não leitores?

Não. Só acho que as pessoas deveriam de repente serem menos ofensivas, tomarem muito cuidado.

Você pretende tomar cuidado em ser menos ofensiva em seus proximos textos?

Não. Eu não sou ofensiva. Eles veem como ofensivo. Eu sou divertida nos meus textos. Eu nunca fui ameaçada, foi a primeira vez. Fui ameaçada de morte nos comentários.

Fará algo em relação a isso?

Acho que não vai ser necessário. Foram ameaças infundadas, imbecis, nada disso vai acontecer. É a liberdade do Facebook, aquela coisa que começa a pegar fogo, vai crescendo, as pessoas confundem tudo. As pessoas estão muito apavoradas e agressivas demais. É incoerente: defensivo e agressivo. Me chamaram de nazista. Isso é ignorância. Por favor. A única coisa que gostaria muito que você dissesse é: em tempos em que estamos defendendo tanto a liberdade de imprensa, um texto tolo, não tolo, simples, bobo, como um capítulo de uma novela da rede Globo ter uma repercussão dessa.... sabe?

 

Recuperado do: Terra.com.br

Adicionar comentário

Comentários ofensivos serão excluídos.


Código de segurança
Atualizar