Na contramão da rotina (J.deO.Ramos)

Escrito por Mhario Lincoln. em: 17/01/2015 | Atualizado em: 17/01/2015

Compartilhe

Por José de Oliveira Ramos
(O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )

 

Guido Sant´Anna em exibição solo

 

Sabem essas coisas que são apresentadas “em números”? Que importância você dá a elas?
Você gosta de “números”?
Será que, quando você era criança ganhou do pai ou da mãe aquela caixa de biscoitos que continha números e letras?
Quais biscoitos você comia primeiro: os de letras ou os de números?
Pois, números são apenas números e nada mais. Isso garantia Malba Tahan, o “Homem que calculava”!
Então, analisemos o seguinte: qualquer Secretaria de Segurança – até mesmo do mais pacato e tranquilo Estado – quando precisa de algum aditivo de verba, ou de mais verba para alavancar os projetos (é o que sempre tentam justificar) em combate a violência, recorre sempre aos números. Tais como: aconteceram 135 crimes violentos de homicídio, mas poderia ter sido menos, se dispuséssemos de uma verba maior para investirmos no combate. Mentira!
Destarte, quando tem verba suficiente e o combate ao crime está deixando a desejar, essa mesma “segurança” começa a terceirizar as responsabilidades, dividindo-as com a educação, com o baixo nível de convivência familiar e até com a falta de investimentos em outras áreas que não lhe dizem respeito.
E apresentam um cabedal de números que nem eles mesmos conhecem e até planilhas de passagens de ônibus, de preços de carrapaticidas, de absorventes femininos são misturados. Ah, os números!
Falando em números, a quantas andam as colheitas dos investimentos do “Criança Esperança” e genéricos?
Alguém que vive adjetivando Pelé de abestalhado ou de “poeta com a boca fechada” já parou para pensar naquilo que ele disse quando comemorava o milésimo gol?
Aquele era um momento do futebol. Era uma comemoração pessoal. Uma marca que era só dele e, o máximo de gentileza e humildade que poderia ter demonstrado, era agradecer aos companheiros de time e de seleção pelos passes perfeitos. Não. Pelé fez mais que isso. Pelé saiu de si mesmo, de um momento seu, para manifestar preocupação com as crianças.
Claro, ele próprio talvez não tenha dado a devida atenção aos filhos (todos sabem a situação de Edinho, filho do Rei) mas, sem pensar em justificar nada, é bom nunca esquecer que o Santos, na era Pelé, “viveu” mais fora da cidade paulista – por conta dos contratos de jogos de exibição em que o “Rei” tinha presença exigida. Não se tenta, aqui, justificar o erro da falta de assistência ao filho Edinho (muitos entendem como uma questão particular de “caráter” – o que acaba se desenhando mais grave ainda).
Mas, o que se vê aqui e alhures é que não se deve dar tanta importância aos números, quando se deseja mostrar alguma coisa. As crianças estão todas perdidas? Não. Não estão. Há pais que “se mancam” e tiram a bunda cheia de celulite e varizes do sofá, param de esperar pelo poder público e vão à luta, acreditando e investindo nos filhos.
Vejamos esse exemplo:

Guido Santana, com apenas 10 anos, é considerado um virtuose no violino

Como se fora um veterano nas apresentações solos, o menino Guido Sant´Anna caminha na contramão da rotina da exclusão social, ainda que não faça parte de listas das benesses da proteção oficial. Filho de Silvano Silva, 41, e Glauce Sant´Anna, 42, Guido “começou a tocar” violino aos 5 anos de idade, quando mal conseguia ler as partituras.
“Comecei a gostar de música clássica porque me acalmava", diz Guido. Seus compositores preferidos são o austríaco Mozart, o alemão Mendelssohn e o russo Tchaikovsky. No início da carreira, tocava muito Mozart, "mais fácil",afirma. Atualmente diz preferir Tchaikovsky.
A rotina é controlada na pequena casa de fundos onde vive a família. "Tenho praticamente só um quarto e meio, então organizo os horários de estudo para meus três filhos poderem treinar ao violino. Enquanto dois fazem lição de casa, um toca", conta Glauce, a mãe. Videogame, passatempo preferido de Guido, só no fim de semana - após os ensaios.
Guido conta que acorda às 7 horas, toma café e vai tocar violino. Até o começo de dezembro, encerrava o treino por volta das 10 horas, para ir ao curso de inglês. Aluno de escola pública, ele concorreu a uma bolsa para estudar em uma escola particular bilíngue. Passou no concurso e deve começar as aulas no segundo semestre de 2015.
Nem tudo está perdido – cabe-nos fazer a nossa parte, enquanto pais e formadores de opiniões.

 

=================================

Link do youtube. (Copie e cole):

http://i.imgur.com/1kIaXwQ.jpg?1

 

 

GUIDO SANT´ANNA

Instrumento: Violino
Data de nascimento: 28/5/2005 (9 anos)
Naturalidade: São Paulo/SP
Currículo: Iniciou os estudos de violino aos 5 anos com a professora Márcia Fukuda, com quem teve aulas por 3 anos. Neste intervalo, tocou na Orquestra Kodomô, do Instituto Fukuda, fez apresentações externas como solista “mirim” e participou de festivais de música. Atualmente é aluno de Elisa Fukuda. É o mais jovem competidor entre os 24 selecionados.

 

 

Comentários  

0 #2 ContramãoJosé de Oliveira Ram 25-01-2015 14:18
Thanks you, my friend!
Citar
0 #1 Na contramão da rotina (J.deO.Ramos)Thaddeus 24-01-2015 23:44
I believe that is among the so much significant information for me.
And i am satisfied studying your article. However should commentary on few normal things, The
web site taste is great, the articles is in reality nice : D.
Just right process, cheers

Feel free to surf to my webpage - รับดูแลผู้สูงอายุ: http://tiscanlabs.com/?attachment_id=12
Citar