Filme induz à reflexão

Escrito por Mhario Lincoln. em: 27/05/2015 | Atualizado em: 27/05/2015

Compartilhe

TEXTO FILOSÓFICO SOBRE O FILME:

(*) Especial, Jul Leardini.

 

Na foto, Mhario Lincoln e Jul Leardini, diretor do filme, quando esteve em São Luís-Ma, gravando algumas importantes cenas do longa.

 

O FILME: O CAMELO, O LEÃO E A CRIANÇA

O filme é feito de linhas, é o filme do pensamento e suas linhas, seus modos. Cada personagem é uma linha em seu nível mais intenso e no mais distendido. O ENIGMA é o tempo como tal, o alto tempo, ou, para usar uma expressão nietzschiana, o intempestivo, que se insinua na linha de vida de cada uma das personagens, e ali ressoa, produzindo acontecimentos. O acidente de ARTHUR, a violência sofrida por RODRIGO, a decepção e a tristeza de HANNA, cada um desses fatos e seus desdobramentos, dão testemunho desse tempo que se insinua e, latejando no fundo das histórias individuais dá sinais de sua presença, anuncia seu advento, sua força, ao modode um enigma, com indícios ainda obscuros (formações do inconsciente). Estes se esclarecem gradualmente, embora, às vezes, por saltos: o sonho, a inspiração, a meditação, a viagem da ayahuasca. A prática de arco e flecha, acompanhada da recitação do poema, o sobrevoo e o making-off do filme são as linhas esclarecidas, que vigoram todo o tempo; são, para cada personagem, a decifração do enigma, o tempo redescoberto. Tudo, no entanto, é um único pensamento. Por isso a linha do professor
ARTHUR é a linha mestra do filme. As falas do ENIGMA vão se tornando mais rarefeitas, tomam o aspecto de aforismas (homenagem a Nietzsche), logo de chispas do pensamento, não sem se mesclarem, quase indiscerníveis, com os pensamentos de ARTHUR, à medida em que ele progride em sua ascese, em direção a um conhecimento que já não se sabe mais se científico ou místico – é a encarnação do pensamento puro, ou do intempestivo. Eis o arco e flecha, o lançamento, o alvo, como uma única e mesma coisa. É para isso que serve o filme, para lançar essa flecha.

A linha do professor, portanto, é a do pensamento involuntário (o ENIGMA),selvagem, não arcado, não curvado, do qual ARTHUR se apropria. Tem algo de selvagem, indômito, não civilizado no ENIGMA, uma potência da vida ainda desconhecida e não exercida – a criança. Isso vale para todas as personagens. Hanna, à medida que se apropria dessa potência, do intempestivo por meio da meditação e do transporte ayahuasqueiro, adquire o poder de curar da morte. Por isso o sobrevoo de HANNA, super-ativo, é uma linha contínua, sem fim. O espaço liso que ela frequenta é uma linha de desterritorialização absoluta – a criança. Daí que o making-off é o real, e quando RODRIGO faz o seu percurso de ator a diretor é o artista e a arte. Ora, tudo precisa ser feito, tudo compreende uma prática e um devir dessa prática. É a arte e a vida, quando o dentro e o fora se tornam uma única e mesma coisa – de novo, a criança, roda que se move por si própria.

O making-off, o sobrevoo, a prática de arco e flecha são depurações da imanência, depurações de uma vida considerada em todos os seus graus; variações do esclarecimento cada vez mais precisos de uma vida que geram uma impressão derradeira, o voo da flecha... Uma simplicidade altamente refinada, uma limha que só é possível traçar e vislumbrar à medida que todas as outras são traçadas, vislumbradas.

Real psicótico, do real em sonho.
A consciência adquirida – a perfeita identificação do conhecer e do fazer, dosaber e do amar – faculta a ampliação das próprias possibilidades para penetrar em dimensões metafísicas, onde outras realidades são bases do ser No painel existencial, no qual nada é fixo e tudo muda, torna-se inadiável a busca da consciência atual sem as fixações do passado, de modo a multiplicar os estímulos para o futuro que chegará. Existe a necessidade do equilíbrio que, é “coo aprender a nadar”. A dificuldade inicial cede então lugar à realização

O homem amargurado, que se faz vítima dos conflitos, deve aprender a resolver os desafios do momento, despreocupando-se das ocorrências traumáticas e gerando novas oportunidades. As suas propostas para amanhã começam agora, não aguardando que o tempo chegue, porque é ele quem passará pelas horas e chegará àquela dimensão a que denomina futuro.

Trailler oficial – VIMEO - https://vimeo.com/122354128

 

O FILME

O CAMELO, O LEÃO E A CRIANÇA

Filme longa metragem será lançado em Curitiba

Será lançado em Curitiba, de 2 a 7 de junho, o filme longa metragem O CAMELO, O

LEÃO E A CRIANÇA. Filme de teor filosófico, baseado na tipologia Três

Transformações do Espírito, de Nietzsche, intercala a vida de três

personagens, um artista, uma mística e um professor, envolvidos em situações

de conflito existencial e de superação. Um enigma penetra no cotidiano de

cada um deles, fazendo da vida e do pensamento uma única trama.

O filme foi gravado, em sua maior parte, no Estado do Maranhão e a outra

parte no Paraná. Financiado parcialmente pela Lei Rouanet, através do extinto

Programa Conta Cultura, da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, o filme

contou com o apoio de muitas pessoas, empresas e instituições, além de

investimentos pessoais do produtor.

SINOPSE

“ Três transformações do espírito vos apresento: como o espírito se transforma

em camelo, o camelo em leão, e o leão, finalmente, em criança “. (Nietzsche

em “Assim Falava Zaratustra”.)

É com o espantoso, o estranho e o inusitado, tal como se inserem, de modo

geral inadvertidos, no curso da vida cotidiana, que o filme O Camelo, o Leão e

a Criança se constrói.

Um professor de filosofia da ciência, um ator e diretor de teatro, uma médica e

mística, vivem diferentes fases em suas vidas (baseadas em histórias reais e

relacionadas à tipologia nietzschiana). Cada uma das personagens se depara,

em sua linha de vida, com a dimensão do estranho, seja na experiência de

discriminação e seu fundo de violência, seja na vertigem do vicio e da loucura,

seja ainda no indizível do transe místico.

O encontro com o real e a comoção que o filme desencadeia exigirão novos

modos de pensar, de agir, de existir.

Filme Longa Metragem Digital (79 min.) inédito com locações no Maranhão e

Paraná. Contem cenas filmadas em full-espectro e infravermelho.

 

 

Ficha Técnica.

Roteiro e Direção: Paulo Blitos.

Co-direção: Jul Leardini, Mauro Zanatta.

Produção: Paulo Blitos e Sync Cultural.

Elenco Principal: Paulo Blitos, Mauro Zanatta,

Vanessa Gonsioroski, Raimundo Reis,

Direção de Fotografia e Câmera: Evandro Martin.

Som Direto, Edição e Montagem: Edemar Miqueta.

Desenho de Som: Edemar Miqueta, Douglas Rodrigues,

Norbert Weiher.

Trilha Sonora: Joaquim Santos.

Direção de Produção: Élida Aragão (cenas no Maranhão),

Direção de Arte: Cleonildes B. Magalhães.

Preparação de Elenco Principal: Igor Nascimento(Maranhão),

Mauro Zanatta (Paraná).

Argumento: Paulo Blitos, João Perci Schiavon,

Consultor: João Perci Schiavon.

Mixagem e Materização 5.1 – Art Sonora, Futuresonic.

Monah Nascimento, Tiago Schiavon.

Suzana Aragão (cenas no Paraná).

Jul Leardini, Ana Lahis Tano Schiavon.

Comentários  

+1 #1 Quero assistir!!Luciane 27-05-2015 11:24
Gente estou muito ansiosa e curiosa por este filme.. Quando chegará aos cinemas daqui de São Luís?? Um grande abraço ao meu colega de UFMA Raimundo Reis..
Citar