Caixa de Pandora: Abra sem medo!

Escrito por Mhario Lincoln. em: 27/05/2015 | Atualizado em: 27/05/2015

Compartilhe

Caixa de Pandora: Abra sem medo

Um estudo ficcionista

 

(*) Mhario Lincoln

Tenho uma frase que lembra a caixa de Pandora e faz a assertiva: ‘Todos nós temos nossa caixinha de Pandora’. E isso é tão real que floresce com a gente ao longo da vida. Acredito eu não existir ser humano livre de alguma frustração, desejo reprimido, auto-vergonha, individualidade excessiva e até mesmo narcisismo. Pode saber controlar tudo isso. Mas efetivamente livre, não! Por isso, a caixinha de Pandora.

Na mitologia grega, Pandora foi a primeira mulher criada por Hefesto sob as ordens de Zeus. Foi enviada à Terra. Mas trazia uma caixa. E nela, todo tipo de desgraças, se aberta. Por isso os deuses pediram a Pandora que nunca abrisse a caixa, pois liberaria todos os males do Mundo.

No meu bestunto psicanalítico, acredito ter a caixa de Pandora, na verdade, significado ainda mais abrangente, no mundo moderno, indo ao encontro da teoria de Carl Gustav Jung, onde o ‘self’ faz o ser humano reagir dentro de um princípio ordenador inconsciente, mas não restritivo e toma forma na medida em que vem evoluindo ao longo das novas percepções que a vida lhe oferece.

No caso de Jung, o ‘self’ tem, igualmente, muito a ver com essa questão de ego. Mesmo que ambos sejam independentes, em suas construções teóricas, as consequências de banir o ego da relação com o ‘self’, é desastrosa. Se o indivíduo, por forças impostas por seus mitos, dogmas religiosas e medos, expurgar seu ego dessa relação com seu ‘self’, aquele, com certeza, tenderá a ser deprimido e alienado.

Daí poder-se imaginar que uma olhadinha em nossa caixa de Pandora, vez por outra, não trará tão mal assim. Contudo, há de se verificar também, a intensidade dessa liberação. Se de uma vez, risco de explosão metapsíquica, desequilibrando a estrutura emocional do indivíduo.

Já em gotas serenas e conscientes, aí, sim, o nível de prazer pessoal, de realização pode ser atingido, sem tão graves prejuízos ao ‘self’ ou ao ego, em sua forma estrutural.

Mutatis Mutandi, li outro dia, em algum lugar, que a caixa de Pandora moderna é o notebook. Abriu a tampa, conectou-se à internet, booommm! Milhões de coisas ao seu alcance. Pode até ter fundamento, sim! Hoje, milhões de pessoas procuram se autodescobrir na internet. Procuram pessoas iguais em pensamento, em métodos, em objetivos e, claro, em parcialidade, mesmo sob riscos indiscutíveis (ou consequências graves para o Mundo, como lá, entre os gregos).

Tem até quem acredite ser a telinha um alento a muitas coisas do ‘self’ e do ego, trazidos à tona na teoria freudiana, depois, administrada por Jung e continuada por dezenas de psicanalistas atuais.

Mas Jung tem algo que se encaixa perfeitamente nessa história de notebook e caixa de Pandora: A individuação, isto é, torna-se inevitável que o ego não comece a servir o ‘self’, à frente de um aparelho virtual; só a pessoa e a tela.  

Exatamente nesse ponto, parece que o corpo humano e sua misteriosa inconsciência (que eu chamo de inconsciência, consciente) passam a buscar relacionamentos mais amplos e mais maduros e de maior criatividade, para abundar aquele espaço restrito, individualista, solitário, até, escondido no fundo da nossa caixa de Pandora.

Mas, como são relacionamentos virtuais (sejam de quaisquer tipos), aquela velha e incomodativa sensação de ‘não estar fazendo nada errado’, toma conta do indivíduo, dando-lhe o prazer necessário para afirmar que aqueles gregos malucos exageraram na história contada a primeira mulher que foi enviada a Terra, criada por Hefesto, a mando de Zeus.

Comentários  

0 #3 Caixa de PandoraOsmarosman Aedo 27-05-2015 20:34
Corretíssima suas colocações e, satisfeito pela semelhança entre o notebook e a não mais que mística CAIXA DE PANDORA o que procede em gênero e número... Sem falar que, cá com as saliências em minhas tectônicas, já até ( sano ), assemelhei-a ao feto, devido a dúvida (sempre há ), de qual perfil e ou personalidade após explosão emergirá de tão infame (e incontestável prazer ) dor ( claro que com exceção, partos cesarianas ). Mas, nada que tire o mérito de tão perfeitas semelhanças que já se fizeram áudio para meus ouvidos. Parabéns meu amigo por mais este aprendizado e conhecimento que sempre cabe. Reparou que o poeta é uma Caixa de Pandora também?
Citar
0 #2 Caixa de PandoraRaquel RRamos 27-05-2015 11:52
Arrisco a dizer que a a vida virtual é mais intensa do que o mundo fora da telinha do computador. Se Pandora abrisse sua caixa nos tempos de hoje, estaríamos rindo do que dali pudesse sair, comparado aos tempos de hoje.
Citar
0 #1 RE: Caixa de Pandora: Abra sem medo!Gisele Medici 27-05-2015 11:26
Ainda bem que viemos ao mundo com essa caixinha de Pandora... sem uma espiadela, vez em quando, tudo seria muito sem cor e sem graça. Como você disse devemos abri-la com moderação rsrs Belo texto! Abraços!
Citar