Conjecturas sobre o tempo

Escrito por Mhario Lincoln. em: 31/05/2015 | Atualizado em: 01/06/2015

Compartilhe

José de Oliveira Ramos
(O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )


O tempo: o ontem; o hoje e o amanhã – todos passarão!
O tempo existe. Existe em mim, em você, existe em nós.É algo que você não vê nem se permite olhar – mas, tenhamos certeza, ele existe.
O hoje é uma divisão do tempo e você não o vê. Mas viu o ontem que, felizmente, já passou sem ser visto. Nem espere ansioso que, com certeza, o amanhã você também não verá.
A prova da existência do tempo para as pessoas
O tempo não é aquele relógio que, para a humanidade mostra apenas as horas que passam e se repetem todos os dias – embora cada minuto seja diferente, hoje, do que aconteceu ontem e provavelmente em nada será parecido com o que acontecerá amanhã.

 

O tempo, tanto existe, que deixa suas marcas. Em nós, principalmente.

Hoje botão, amanhã rosa – é o tempo

Da mesma forma que o tempo se transforma em ferrugem no metal ou no objeto não cuidado, escreve em nós, em forma de rugas – principalmente aquelas que também são transformadas em experiência.
O tempo é exatamente aquilo que você não viu nem verá. Mas ele está ao teu lado, te ajudando a contar a própria passagem.
Você lembra do tempo em que era apenas uma criança? E, hoje, você é o quê?
Então, esse interstício, é o tempo. Se ele passou, é certo que ele existe. Se não existisse, não teria passado e você continuaria sendo aquela mesma criança.

A rosa hoje, ontem apenas um botão – foi o tempo que passou

Foi o tempo – que você nem ninguém viu – que te fez criança, que te deu vida e que, num futuro que você não saberá quando vai chegar, te levará embora. Muitos te procurarão e não encontrarão. E tu estarás com o tempo. Formando um par – quase um casal.
O tempo existe. Existe em mim, em você e existe em nós. Então, o que ontem era botão, virou rosa por quê? Foi o tempo que fez isso.
Mas, em nós, pessoas, o tempo também existe e, melhor, atua em tudo que fomos, que somos e que seremos. Desde o nada em direção ao nada, mais uma vez.
A velhice nada mais é que a ação do tempo escrevendo em nosso corpo, segundos, minutos, horas e dias. A caligrafia do tempo com seu alfabeto indelével.
O tempo existe. Existe em mim, em você e existe em nós.
Volte ao ontem, sem que seja através das marcas feitas pelo tempo. Tente ir ao amanhã, sem que tenha que esperar pelo tempo.
Tudo tem seu tempo e hora. Ou, como se diz: “toda hora tem seu tempo.”

Comentários  

0 #4 Bom textoJosé de Oliveira Ram 03-06-2015 20:31
Wladimir Kapziniak: preciso agradecer sua generosidade para me sentir bem. Eu também não sou mais nenhum garoto. Pegue a sua idade e, sobre ela acrescente mais 20 e vai encontrar a minha. Tenho consciência que estou no ocaso. Plantei árvores (muitas), tenho filhos (5) e estou escrevendo dois livros ao mesmo tempo. Bebi na juventude. Hoje, bebo apenas 4 cervejas por mês, uma a cada fim de semana - e essas quatro me bastam. Aprendi que cerveja só presta gelada para que você sinta o sabor dela. Depois da segunda, aprendi também, você não sente mais o sabor e bebe por beber. Não há mais paladar. Nunca fumei. Nunca fumei nada. Não suporto droga (a cerveja, repito, 4, é a única). Há pelo menos 4 anos não tomo qualquer refrigerante - pois sou safenado e hipertenso e refrigerante é calórico por demais. É uma pena perceber que pais (e mães) dão Coca-Cola aos filhos, crianças ou não. Fazer o que?
Citar
0 #3 VolteiJosé de Oliveira Ram 03-06-2015 19:21
José Carlos Gomes: obrigado pela leitura e pelo comentário sempre generoso. Volte sempre que desejar, amigo.
Citar
0 #2 Bom textoWladimir Kapziniak 03-06-2015 10:03
Um texto poético e gostoso. Faz a gente refletir sobre a idade. Estou com 52 anos, tenho um grave problema de saúde causada por uso diário de cerveja, mas este e outros artigos dessa natureza nos faz caminhar pra frente.
Não bebo há 2 anos. Mas as cicatrizes não fecharam.
Eu semp´re dizia. Eu não bebo assim. O outro sempre bebia mais do que eu. No fim eu tive graves consequências bebendo cerveja. Entrei com uma ação junto à industria para que oficialmente eles me digam quais elementos químicos eles acrescentam à cerveja moderna para atender a demanda. Disseram que são dezenas de produtos tóxicos. Hoje eu sei das consequências.
Folgo em ler você e espero que vc não beba tanto como a maioria de nós. A cada 10 pessoas entre 11 e 70 anos bebem, pelo menos, uma vez na semana. Isso é dramático. Mas vc não tem nada com isso. Passar bem,,,
Citar
0 #1 VolteiJosé Carlos Gomes 03-06-2015 09:58
Não resisti. Tive que voltar e elogiar o texto. Parabéns, Ramos.
Citar