O sonho de um país diferente

Escrito por Mhario Lincoln. em: 10/08/2015 | Atualizado em: 10/08/2015

Compartilhe

José de Oliveira Ramos – São Luís/MA é jornalista, pensador, poeta e pesquisador cearense, mas há muito, maranhense de coração. Único colaborador  periódico de ACERVO.

 

O trem dos sonhos

 


Até o sertão virar mar – continuarei sonhando
“I have a dream!”
Foi isso sim, que, um dia, disse Martin Luther King em pronunciamento para milhares de americanos que, como ele, sonhavam com o fim das injustiças, iniciando pela segregação racial.
Pois, eu também tive um sonho. Sonhei de olhos abertos, pensando sempre em um dia poder viver num país diferente deste que os escroques de hoje nos impõem. Tive filhos. Ainda tenho filhos e sempre lhes ensinei o que de melhor aprendi com meus pais. Nunca transgredi pensando que isso (a transgressão) pudesse um dia lhes servir de modelo.
Errei, certamente. Mas errei tentando fazer sempre o melhor, por mim, por eles e principalmente por nós. E, até hoje, vi que eles tiveram competência e discernimento para não repetir os meus erros.
Sei, existem muitos, que, não apenas não agem assim, como também não pensam em agir da mesma forma. Pouco se lhes importa o acerto, a retidão, desde que isso lhes mostre retorno material.
Não! Nunca pretendi imitar Luther King. Mas, um dia me vi – em sonho - embarcando num trem. O trem do tempo que me levaria, sem curvas e titubeios, na direção da realização humana e social num país de gente livre. Livre e feliz!
Nesse sonho, ora me via como passageiro e ora era o próprio Maquinista, tocando lenha e puxando a válvula do apito, para avisar ao mundo que o trem estava livre e que todos podiam embarcar em algo que não pararia nunca.

 

 

De Teresina a São Luís

João do Vale
Compositor: (Helena Gonzaga – João do Vale)

 

 

Peguei o trem em Teresina
Pra São Luís do Maranhão
Atravessei o Parnaíba
Ai, ai que dor no coração
O trem danou-se naquelas brenhas
Soltando brasa, comendo lenha
Comendo lenha e soltando brasa
Tanto queima como atrasa
Tanto queima como atrasa
Bom dia Caxias
Terra morena de Gonçalves Dias
Dona Sinhá avisa pra seu Dá
Que eu tô muito avexado
Dessa vez não vou ficar
O trem danou-se naquelas brenhas
Soltando brasa, comendo lenha
Comendo lenha e soltando brasa
Tanto queima como atrasa
Tanto queima como atrasa
Boa tarde Codó, do folclore e do catimbó
Gostei de ver cabroxas de bom trato
Vendendo aos passageiros
"De comer" mostrando o prato
O trem danou-se naquelas brenhas
Soltando brasa, comendo lenha
Comendo lenha e soltando brasa
Tanto queima como atrasa
Tanto queima como atrasa
Alô Coroatá, os cearenses acabam de chegar
Pra meus irmãos uma safra bem feliz
Vocês vão para Pedreiras e eu vou pra São Luís.
O trem danou-se naquelas brenhas
Soltando brasa, comendo lenha
Soltando brasa, comendo lenha
Comendo lenha e soltando brasa
Tanto queima como atrasa
Tanto queima como atrasa

Yes, I also have a dream!
E sonho com um País diferente, com práticas e conceitos modernos e evoluídos, mas, principalmente humanos – e não apenas porque viraram modismo – na convivência entre famílias sem preconceito ou segregação racial e abertura de espaço para a prática religiosa de cada um.
E continuarei sonhando que, um dia, vamos protestar, reclamar, brigar pelos nossos direitos – sem estarmos dirigindo um carro e falando ao celular ao mesmo tempo. Sonho que um dia teremos a prática superando a teoria na cidadania. Sim

==========================================

Bônus:

Parte da obra de João do Vale:

Gravação original da Fundação Padre Anchieta. Programa MPB Especial, dirigido por Fernando Faro.

Acompanhamento de Eduardo Gudin e Carlinhos.

Siga o link: O MELHOR DE JOÃO DO VALE

 

Múdica: O Hino de João do Vale na voz de LUIZ GONZAGA

De Teresina a São Luís (Clique e ouça).

 

Comentários  

+1 #8 ManifestaçãoJosé de Oliveira Ram 10-08-2015 12:59
Graça Silva: queria saber dizer mais alguma coisa, além de "obrigado"! Volte sempre que desejar. Se a porta estiver fechada, sem cerimônia, pode entrar que a casa é sua, também!
Citar
+1 #7 Grupos de AAJosé de Oliveira Ram 10-08-2015 12:33
Bebidas nunca mais - amigos, grato pelo comentário e mais ainda pela intervenção´, cuja iniciativa só merece elogios. A droga - seja ela qual for - acaba destruindo a única instituição que nos ampara: a família.
Citar
+1 #6 Codó-MaJosé de Oliveira Ram 10-08-2015 11:50
Marcio do Vale: obrigado companheiro pelo comentário lúcido. Infelizmente a droga tem matado muita gente que não consegue se libertar. A cachaça, para muitos que a consomem, não sei se posso escrever "felizmente", é menos letal que as drogas dos dias atuais. A cachaça, entendo, tanto quanto o cigarro, quem usa larga no dia que quiser. O João foi um mito brasileiro, analfabeto que nunca se escondeu nem pretendeu ser ícone cultural - mas acabou sendo.
Citar
+1 #5 Bacabal-MAJosé de Oliveira Ram 10-08-2015 11:31
Maria José Lago: se todas as pessoas do mundo tivessem um mínimo da sua generosidade, viveríamos de forma diferente. Beijo no teu coração amigona!
Citar
0 #4 ManifestaçãoGraça Silva 10-08-2015 10:20
Sr. Oliveira.
Essa foi uma manifestação de raro nível humano. Resgatar a figura de João do Vale num sonho em busca da verdadeira democracia deste país é algo que se deve respeitar e honrar. Muito obrigada, sr. Oliveira.
Gracinha
(Vila Hauer-Curitiba-PR)
Citar
0 #3 Grupos de AABEBIDAS NUNCA MAIS 10-08-2015 10:17
Comitê de Área.
Alcoólicos Anônimos é uma Irmandade de homens e mulheres que compartilham suas experiências, forças e esperanças, a fim de resolver seu problema comum e ajudar outros a se recuperar do alcoolismo.
O único requisito para se tornar membro é o desejo de parar de beber. Para ser membro de A.A. não há necessidade de pagar taxas ou mensalidades; somos auto-suficientes, graças às nossas próprias contribuições.
A.A. não está ligado a nenhuma seita ou religião, nenhum partido político, nenhuma organização ou instituição; não deseja entrar em qualquer controvérsia; não apóia nem combate quaisquer causas.
Nosso propósito primordial é manter-nos sóbrios e ajudar outros alcoólicos a alcançar a sobriedade.
Citar
0 #2 Codó-MaMarcio do Vale 10-08-2015 10:16
Tenho a honra de dizer que conheci o João. Tenho a tristeza de dizer que ele botou a vida em jogo por causa da cachaça.
Um homem daquela qualidade se deixou matar pela bebida.
Citar
0 #1 Bacabal-MAMaria José Lago 10-08-2015 10:14
Ô, José.
Desta vez tu lascastes mesmo.
Juntou nossa busca democrática com alguém que se firmou na história da música com muito sacrifício. Pena que se perdeu no alcoolismo. Na maioria dos homens que se dizem inteligentes não conseguem largar a cerveja e caem na vida como um meteoro incandescente. Mesmo que as doenças apareçam esses nunca acreditam que foi pelo efeito do ácool. Uma pena.
Mas parabéns José.
Zezé Lago
Bacabal-Ma
Citar