Lampião homossexual?

Escrito por Mhario Lincoln em 07/10/2014

Existem várias publicações sobre a homossexualidade do cangaceiro.   “Tem até uma tese na Sorbonne pontuando a acentuada feminilidade de Lampião".

 

Obra lançada em 2011 também fala do suposto adultério de Maria Bonita. Filha do casal de cangaceiros vai recorrer e pedir suspensão da venda.

 

 

Texto e Imagem: G1

Café HistóriaO livro ‘Lampião – O mata sete’ vai ocupar às prateleiras de livrarias de Aracaju. Após anos impedida de ir à venda, a obra publicada em 2011 pelo juiz aposentado Pedro de Morais teve a autorização para a comercialização. O pleno da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça deSergipe (TJSE) entendeu no dia 30 de setembro que o cangaceiro é uma figura pública e que isso significa abrir mão de uma parcela de sua privacidade, além de citar o direito à liberdade de expressão do autor. A família da figura popular da cultura nordestina entrou com um processo porque se sentiu ofendida com a insinuação de que Lampião era homossexual e que Maria Bonita era adúltera.

 

Pedro de Moraes diz que não esperava repercussão sobre o livro. (Foto: Daniel Soares/G1)

 

“A decisão foi baseada no texto constitucional, é a ponderação entre os direitos de expressão, a liberdade artística e a privacidade. No caso, por tratar-se de um personagem público, entendeu-se que havia uma restrição ao direito à privacidade. Toda pessoa pública sofre restrições a esses direitos de intimidade e privacidade e obviamente pode ter a sua vida publicada em obra”, explica o desembargador Cezário Siqueira Neto. O relator do processo disse ainda que se a filha de Lampião, Expedita Ferreira Nunes, se sentiu ofendida ela pode requerer indenização.

O advogado da família de Lampião, Wilson Wynne de Oliva Mota, quer proibir a venda do livro e vai recorrer da decisão no Supremo Tribunal Federal (STF). “Ele diz que Lampião era gay e Maria Bonita adúltera. Afirma até que a Expedita seria filha de Maria Bonita com outro cangaceiro. O livro aborda um tema que nenhum estudioso ou pesquisador do cangaço ouviu falar. Não se trata de liberdade de expressão e nem de censura, há de se considerar que toda liberdade tem limite quando atinge o direito do outro”, diz.

O livro tem 300 páginas e foi escrito entre 1991 e 1997, período em que o juiz morava em Canindé do São Francisco. Segundo Pedro de Moraes, o objetivo foi desmistificar o Lampião herói, pois ele também seria um criminoso. “O Lampião herói foi criado pela esquerda intelectualizada após o Golpe Militar de 1964. Antes, ele era visto como um bandido e é sobre isso que meu livro trata. Não é uma biografia gay de Lampião, é uma biografia qualquer, além disso, eu nunca usei a expressão gay”, garante o autor.

Pedro de Moraes afirma ainda que existem várias publicações sobre a homossexualidade do cangaceiro. “Tem até uma tese na Sorbonne pontuando a acentuada feminilidade de Lampião, ela também já foi publicada em várias revistas de circulação nacional. Por que somente eu? Eu o chamo de ladrão, assassino e canalha, mas apenas a parte que toca na homossexualidade é a que ofende a família. Não há nenhuma comprovação de que ele roubava dos ricos para dar aos pobres”, argumenta.

A decisão do TJSE ainda cabe recurso, mas não impede a publicação. O lançamento de ‘Lampião – o mata sete’ será na quinta-feira (9), às 18h30, na livraria Escariz da Av. Jorge Amado no bairro Jardins em Aracaju. Cerca de 100 exemplares chegaram a ser vendidos na II Bienal do Livro de Salvador, realizada em novembro de 2011.

Fonte: G1

Os órfãos decidem o 2º Turno

Escrito por Mhario Lincoln em 07/10/2014

(*) Mhario Lincoln

Foto: Google Imagens

 

A eleição entre Dilma e Aécio, além de uma festa democrática, passa rigorosamente por uma espécie de reconciliação político-familiar. Quem decidirá mesmo o rumo do Palácio do Planalto são os considerados órfãos eleitorais.

Segundo resultado das apurações (para Presidente) muitos eleitores votaram nulo (ou em branco), manifestando ou pensando manifestar sua indignação com o que o país apresenta no momento, mesmo que um Tiririca da vida tenha sido eleito em São Paulo para a Câmara Federal pela segunda vez, não sendo, assim, considerado mais "um voto de protesto".

Mas quem votou em candidatos de partidos menores ou mesmo na Marina Silva e querem votar novamente, podem ser, sim, considerados também órfãos eleitorais. E são esses que efetivamente deram seus votos a candidatos derrotados, que os dois candidatos correm atrás, independentemente de alianças que possam fazer ex-candidato "A" ou ex-candidato "B".

Nesse caso, Aécio Neves, do PSDB, leva vantagem. Segundo perfil traçado por revistas especializadas, os órfãos do Aécio podem decidir a eleição deste novo turno, superando a diferença de sufrágios responsável pelo segundo lugar diante da presidenta Dilma.

Esses órfãos habitam o universo eleitoral do Sul e Sudeste Brasileiros. Tem mais de 45 anos e ganham mais de 5 salários mínimos e ainda consideram o governo do PT Ruim/Péssimo.

São conservadores no ponto de vista político-econômico. Rejeitam literalmente o PT, não confiavam na Marina (foi do governo Lula) e tinham explícito medo de que a candidata do PSB fosse radical, insegura e incapaz de governar o país, especialmente com uma equipe desconhecida da maioria.

Em caso de outros eleitores 'normais" de outros candidatos, algo em torno de 22% dos votos estarão sendo disputados. E mais, 5,80% de votos nulos e 3,48% de votos em branco.

googleSe Aécio (PSDB) abocanhar pelo menos 50% desse universo de votos entre órfãos, brancos, nulos e de terceiros atingirá um índice eleitoral de 58% de votos válidos contra 26% de Dilma, elegendo-se o novo presidente do Brasil.

Todavia, este novo turno pode ser uma incógnita ainda maior, derrubando possibilidades, cálculos e pesquisas como aconteceu no 1º Turno, desqualificando quaisquer manifestações favoráveis à um ou outro.

O povo brasileiro parece ter aprendido, ao longo desse exercício democrático, uma nova maneira de 'fazer desacreditar' pesquisas eleitorais, 'não revelando o seu candidato favorito', relegando esses institutos eleitoreiros que bandeiam para o lado mais forte, na maioria dos casos.

Por essa razão, inúmeros eleitores preferiram votar em branco (mais de 4,4 milhões ou anulado o voto, cerca de 6,6 milhões, segundo números divulgados pelo TSE).

Mas, afinal, votar nulo ou em branco é realmente um protesto? Existem diferenças quando se escolhe branco e nulo. Li em site das eleições 2014, independente, um texto interessante sobre esse assunto.

Diz respeito aos votos brancos e nulos e suas diferenças básicas. O voto em branco nas eleições 2014 embora muitas pessoas pensassem que a pessoa não votou em candidato nenhum, na verdade ela abdicou de seu direito de votar.

Outros eleitores, inadvertidamente, veem o voto em branco como forma de contestação, mas na verdade é um conformismo, ou significa “tanto faz”. Pior: Os votos em branco são acrescentados "para os candidatos com maior votação no turno anterior".

 

Por isso, é bom relembrar que votando em branco, seu voto vai pra quem você nem imaginaria votar. Anulando-o, você acaba abrindo mão de você mesmo escolher quem irá lhe representar ou quem irá governar o seu estado e o seu país. Ou seja, você estará passando uma procuração (em branco) para que pessoas que você nunca viu escolham o político por você.

Por isso, e mesmo assim, se sua indignação é latente, nunca vote em branco. Procure anular seu voto. Este não irá se somar a nenhum dos candidatos ao final da apuração, o que acontece com votos em branco.

Porém, neste momento de difícil cenário político brasileiro, torna-se necessário quaisquer que sejam nossos esforços. Especialmente dos conhecidos órfãos eleitorais para que se dê um rumo eficaz ao nosso país. Esses órfãos chegam a somar, se só entre nulos e brancos, 11 milhões de eleitores (TSE), fatia de significativa importância para dar uma vitória a Aécio ou Dilma. Desta forma, o Segundo Turno servirá para rever conceitos e para analisar melhor as propostas dos candidatos.

 

Veja abaixo a página do TSE com todos os resultados eleitorais. Conheça os deputados de seu estado, eleitos em 2014, começando pela eleição presidencial que resultou em segundo turno entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT).

Clique em http://divulga.tse.jus.br/oficial/index.html


 (*) Mhario Lincoln é jornalista profissional.

PT: Pior resultado, desde 1998

Escrito por Mhario Lincoln em 07/10/2014

O PT vai manter a maior bancada da Câmara dos Deputados na próxima legislatura mas, com o aumento da fragmentação partidária no Congresso, registrou sua pior eleição desde 1998 e perdeu quase 20 parlamentares. O partido elegeu 70 deputados federais.

É a pior marca desde 1998, quando o partido, antes de ganhar o poder, atingiu 59 deputados. Em 2002, com a eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a legenda saltou para 91 deputados e em 2006 para 83 parlamentares (neste ano, perdeu para o PMDB o posto de maior bancada). Atualmente o partido tem 88 deputados federais.

Na nova composição da Câmara, o PT é seguido por PMDB, com 66 deputados eleitos, e pelo PSDB, com 54.

A pequena diferença entre PT e PMDB deve levar a nova disputa pela presidência da Casa ou à renovação do acordo de rodízio – cada um fica no comando por dois anos. Isso em caso de reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). Se o vitorioso na eleição presidencial for o senador Aécio Neves (PSDB), novas composições devem ser feitas para evitar que o controle da Câmara fique nas mãos da oposição.

Revés para o PT

O grande vilão foram as eleições mal-sucedidas em São Paulo, onde o PT teve quase 1 milhão de votos a menos que em 2010 na eleição para a Câmara e elegeu apenas 10 deputados, contra 15 de quatro anos atrás. O partido escolheu o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT) como candidato ao governo estadual, mas o petista só cresceu nas pesquisas na última semana antes da eleição e dificultou a arrecadação da sigla no Estado.

Também foi um desastre a eleição para o PT em Pernambuco, terra de Eduardo Campos (PSB), candidato a presidente morto em um acidente de avião no meio da campanha eleitoral. Os petistas não conseguiram reeleger nenhum dos quatro deputados eleitos em 2010, perderam a eleição para o governo com o senador Armando Monteiro (PTB) e o deputado João Paulo Lima (PT) foi derrotado para o Senado depois de liderar as pesquisas durante toda a eleição.

O partido ainda perdeu dois deputados na Bahia (onde elegeu oito nesta eleição), no Distrito Federal (apenas um parlamentar eleito agora), no Pará (dois eleitos) e em Santa Catarina (dois vitoriosos). Melhorou sua posição em Minas Gerais, com a maior bancada do Estado, de 10 deputados, dois a mais que há quatro anos.

Demais bancadas

O PMDB permaneceu como segunda maior bancada da Câmara, mas também viu reduzir sua influência. Em 2010 a sigla elegeu 78 parlamentares, porém perdeu alguns durante a legislatura e agora registra 71.

O PSDB fez 54 deputados e o PSD, que era a terceira maior bancada da Câmara, caiu para quarto, com 37 parlamentares, seguido de perto pelo PP, que fez 36. O PSB de Eduardo Campos e agora de Marina Silva tem 34 parlamentares – um salto de 10 deputados em relação ao que tem hoje, mas um a menos do que elegeu em 2010.

Os partidos nanicos, que foram os grandes vitoriosos desta eleição e saltaram dos atuais 12 deputados para 29, vão ter papel fundamental na formação de blocos com as legendas maiores. A composição interessa aos dois: por um lado, aumenta a bancada do partido maior, e por outro dá mais espaço aos nanicos, que teriam vagas apenas nas comissões mais irrelevantes e sequer teriam direito a estrutura de uma liderança partidária.

Mudanças com impugnados

O tamanho das bancadas, contudo, não será completamente conhecido até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) terminar de julgar os recursos dos candidatos que foram impugnados, mas recorreram da decisão. Ao todo 282 candidatos a deputado federal aguardam o julgamento dos recursos.

Há três deputados federais nesta situação: Paulo Maluf (PP-SP), André Moura (PSC-SE) e Chico das Verduras (PRP-RR). Os três estiveram entre os mais votados de seus Estados e podem mudar a distribuição das vagas entre os partidos. Maluf, por exemplo, teve 250 mil votos.

Renovação

A taxa de renovação na Câmara dos Deputados foi de 46,4% nesta eleição, dentro da média dos anos anteriores. Ao todo, 70,3% dos 391 deputados federais que disputavam a reeleição saíram vitoriosos das urnas no domingo, apesar de a maioria da população expressar nas pesquisas o desejo de mudança com a política brasileira.

A eleição de novos deputados tem ficado, em média, em 49% das 513 vagas para deputado federal. A disputa com maior renovação foi a de 1990, quando 61,8% dos parlamentares eleitos na Câmara não tinham participado da Constituinte, e a menor foi em 1998, quando 43,9% dos eleitos não tinha exercido o cargo na legislatura anterior.

Foram derrotados ao tentar a reeleição políticos de destaque como os presidentes do PPS, Roberto Freire (SP), e do PV, José Luiz Penna (SP), o ex-líder dos governos Lula e Dilma, Cândido Vaccarezza (PT-SP), e Angelo Vanhoni (PT-PR), que foi relator do Plano Nacional de Educação (PNE) na atual legislatura.

Destaques

Os deputados federais mais votados do país foram Celso Russomanno, do PRB de São Paulo, com 1,524 milhão de votos, e Tiririca, do PR de São Paulo, com 1,016 milhão. O terceiro mais votado foi Jair Bolsonaro (PP-RJ), com 464 mil votos, seguido pelo pastor Marco Feliciano (PSC-SP), com 398 mil.

Entre os novos deputados eleitos estão parentes de políticos tradicionais, como Arthur Bisneto (PSDB-AM), deputado com maior percentual de votos válidos do país, que é filho do prefeito de Manaus e ex-senador Arthur Virgílio Neto (PSDB); Shéridan, esposa do ex-governador de Roraima José de Anchieta Júnior (PSDB), que deixou o cargo em abril; Pedro Vilela (PSDB-AL), sobrinho do governador Teotônio Vilela (PSDB); Walter Alves (PMDB), primo do presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB).

A lista não inclui apenas políticos do Nordeste. No Rio de Janeiro, foram eleitos Clarissa Garotinho (PR), filha dos ex-governadores Anthony Garotinho (PR) e Rosinha Garotinho (PR); Marco Antônio Cabral (PMDB), filho do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB); Cristiane Brasil (PTB), filha do delator do mensalão e ex-presidente do PTB, Roberto Jefferson.



© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. 

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/eleicoes2014/3723858/pt-mantem-maior-bancada-na-camara-mas-tem-pior-resultado-desde-1998#ixzz3FQWlR5xM

SALOMÃO AOS 85 ANOS

Escrito por Mhario Lincoln em 10/09/2014

Osvaldo Rocha com a família Rocha. Na foto ao lado, Osvaldo Rocha e seu irmão Salomão.

 

 

Osvaldo Pereira Rocha*

 

 

Nascido em 05 de setembro de 1929, no povoado Santa Cruz, interior de Pedreiras,

Maranhão, hoje interior de Santo Antonio dos Lopes – Maranhão, meu primeiro irmão,

Salomão Pereira Rocha, completou 85 anos de feliz existência em 05/09/ 2014, fato

auspicioso esse comemorado no dia seguinte, ou seja, em 06/09/2014, sábado, com

as presenças de familiares, amigas e amigos de São Luís, do interior do Estado do

Maranhão e de Brasília – DF.

A Tatuagem de Neymar

Escrito por Mhario Lincoln em 08/09/2014

 


Lourival Serejo (*)

 

"Após ouvir os aplausos da rua; toda vez que ele lê aquela frase pelo espelho, vai ter consciência de que nada dura para sempre, inclusive sua glória."

 

 

google imagensSe perguntássemos a qualquer brasileiro onde está a sabedoria de Neymar, com certeza diriam que está nos pés, na sua agilidade como jogador. É contrariando a essa óbvia conclusão que venho falar do pescoço de Neymar, onde está inscrita sua lição de sabedoria.
Quem assistiu às sucessivas entrevistas dadas por nosso atleta maior, durante a Copa do Mundo, deve ter observado que, no pescoço dele, está gravada a expressão: Tudo passa.
Para quem foi glorificado pela agilidade dos seus pés, trazer uma lição desse jaez, no pescoço, merece mais um elogio e o reconhecimento de que o garoto tem os pés no chão, não só nos gramados em que se debate com a bola, mas também no terra a terrada realidade.
Fiquei imaginandotoda vez que ele se vê no espelho, após uma partida em que foi a estrela; após receber um prêmio; após ouvir os aplausos da rua; toda vez que ele lê aquela frase pelo espelho, vai ter consciência de que nada dura para sempre, inclusive sua glória. Talvez nessa precoce lição que tomou para si esteja a humildade presente em suas entrevistas e em seus relacionamentos com os amigos.
Essa evocação da inscrição do pescoço de Neymar remete para um episódio histórico remoto, lá na antiga Roma, no tempo dos césares.
Quando um general romano chegava vitorioso de um campo de batalha, deixava seu exército nas proximidades da cidade, subia numa biga (carro com duas rodas puxado por dois cavalos) e entrava triunfante em Roma, sob os aplausos da multidão, até ser recebido pelo soberano da ocasião. Ao lado do herói romano, iam dois escravos. Um dirigia o veículo e o outro ficava repetindo ao seu ouvido: Lembra-te que és mortal (Memento mori). Aquela advertência do escravo era paralembrar ao general de que o poder e a glória são efêmeros; que a vaidade é uma fraqueza que inebria os incautos.
Quem ainda não observou passe a reparar a tatuagem de Neymar. Vale a pena apoderar-se da mensagem que ela contéme deixar de preocupar-se com qualquer coisa. Aliás, nossos avós já empregavam uma variação dessa locução, no dia a dia, sempre que recebiam uma queixa de um filho: Quando casar passa. Quem se lembrar do célebre romance de José de Alencar, Iracema, recordará que ele termina com esta afirmação lapidar: Tudo passa sobre a terra. Oalarmante é que nesse “tudo” está a própria vida.
Para os desprezados por seu amor, para os que ficaram depois de uma separação, de uma viagem,é um consolo agarrar-se a essa verdade. Os mais nostálgicos podem ouvir, na voz de Altemar Dutra, essa lição de alcance popular, em forma de canção.
Em tempo de pós-copa, já passaram Felipão, o vexame do 7 a 1, o sonho do hexa, os elogios exagerados aos jogadores, as lágrimas, os sorrisos, o medo das manifestações, e tantas e tantas outras coisas, como uma corrente soberba de um rio caudaloso de fatos e fatos, a confirmarem que Neymar, que quase passava de vez, pelo efeito da joelhada de Zúñinga, tem razão em não querer se esquecer de que Tudo Passa.

====================================================================

 

(*) Lourival de Jesus Serejo Sousa tem cursos de especialização em Direito Público e em Direito Processual Civil.Antes de se tornar desembargador, foi advogado, promotor de justiça e juiz. Como magistrado, serviu nas comarcas de Arari, Brejo, Imperatriz e São Luís. Na capital, foi juiz auditor da Justiça Militar, juiz da 3ª Vara da Família, juiz corregedor, membro do Tribunal Regional Eleitoral e diretor da Escola Superior da Magistratura (Esmam), na qual ainda atua como professor. Serejo é também escritor.

 

Suassuna no Céu (Cordel)

Escrito por Mhario Lincoln em 02/09/2014

(*) Homenagem a SUASSUNA em versos de cordel!
 
 


Nos palcos do firmamento
Jesus concebeu um plano
De montar um espetáculo
Para Deus Pai Soberano
E, ao lembrar de um dramaturgo,
Mandou buscar Ariano.

Jesus mandou-lhe um convite,
Mas Ariano não leu.
Estava noutro idioma,
Ele num canto esqueceu,
Nem sequer observou
Quem foi que lhe escreveu.
 

Convidados da WEB

Escrito por Mhario Lincoln em 02/09/2014

 

As crianças crescem muito rápido

E também revelam bem cedo as semelhanças com os pais

ISABEL CLEMENTE
 

Conhece a história daquela mãe que botou o filho pra dormir numa noite fria usando pijama de flanela com carrinhos? Deu-lhe um beijo de boa noite, ajeitou o travesseiro de sapinho e acordou de manhã assustada ao ouvir o marido conversando com outro homem na sala achando que a casa tinha sido invadida. Ela custou a perceber mas seu bebê tinha crescido. Todos estamos sujeitos a isso.

Histórias espantosas vêm sendo registradas há décadas no livro dos recordes infantis, uma publicação particular em que algumas famílias anotam o máximo do desempenho dos filhos nas categorias mais disparatadas: bobagens por segundo; tagarelice em lugar barulhento;  implicância criativa; machucados no mesmo joelho; despertar cedo; propostas absurdas num curto espaço de tempo; idas à emergência; e por aí vai. É bom esclarecer que nenhum desses casos fica sujeito a checagem de comissões internacionais. Quem valida os absurdos presenciados por uma família é a própria família e os amigos próximos. Eles ajudam a levar adiante as crônicas familiares inesquecíveis.

No quesito crescimento, a disputa é das mais acirradas. Que pai ou mãe não se espanta com o crescimento dos filhos nos primeiros meses de vida? Competem por isso.
Mãe 1: Imagina que meu filho dobrou de peso no primeiro mês!
Mãe 2: E o meu que triplicou em dois meses?
Mãe 3: Tiago perdeu todos os sapatinhos de recém-nascido nos primeiros 15 dias...
Mãe 1: Realmente impressionante...
Mãe 2: Ô.

Há provas e exageros por toda parte. Quem consegue decorar quanto os filhos calçam se os pés deles mudam a cada trimestre? E a altura? Um amigo começou a marcar com um lápis na parede a altura da filha mas desistiu porque tinha rabisco demais. "Quando ela parar, eu vejo aonde chegou". Muito sensato.