Página Poética 30.05.2015

Escrito por Mhario Lincoln em 05/06/2015

 

Nossa página poética em sua forma original foi publicada entre 30/05 a 06.06 de 2015 no endereço www.mhariolincolndobrasil.com A partir dessa data (06/06), a página nesse endereço original está atualizada.

Aqui, arquivada em partes e sem a diagramação original.

Att. Mhario Lincoln, jornalista/editor-geral.

 

Obs: Abaixo desta página as outras partes da página poética publicada dia 30.05.2015. Divirta-se!

====================================

PABLO NERUDA foi o destaque da edição da semana (30.06).

 

 

Elenir Malinowski (Curitiba-PR) também escolheu NERUDA.

 

 

 

 

 

 

 

 

O Poço

Cais, às vezes, afundas

em teu fosso de silêncio,
em teu abismo de orgulhosa

cólera, e mal consegues
voltar, trazendo restos
do que achaste
pelas profunduras da tua existência.

Meu amor, o que encontras

em teu poço fechado?

Algas, pântanos, rochas?
O que vês, de olhos cegos,
rancorosa e ferida?

Não acharás, amor,
no poço em que cais
o que na altura guardo para ti:
um ramo de jasmins todo orvalhado,
um beijo mais profundo que esse abismo.

Não me temas, não caias
de novo em teu rancor.
Sacode a minha palavra que te veio ferir
e deixa que ela voe pela janela aberta.
Ela voltará a ferir-me
sem que tu a dirijas,
porque foi carregada com um

instante duro e esse instante será desarmado em meu peito.

Radiosa me sorri
se minha boca fere.
Não sou um pastor doce
como em contos de fadas,
mas um lenhador que comparte contigo
terras, vento e espinhos das montanhas.

Dá-me amor, me sorri
e me ajuda a ser bom.
Não te firas em mim, seria inútil,
não me firas a mim porque te feres.

 

Pablo Neruda

 

Página Poética 30.05.2015 (a)

Escrito por Mhario Lincoln em 05/06/2015

Prof. Borto (José Carlos Bortoloti ) escolheu

o poeta luso-brasileiro, escritor e editor do blog Verdade na Prática,  

Luis AR Branco. 

"Tinha o sonho de

distribuir poesias, assim

como os homens gentis

distribuem flores, e os músicos

de ruas distribuem suas canções."

Luis A R Branco

 

 

Anseios

No mar dos meus anseios,
Navega a solidão.
O céu azul de saudade,
Envolvendo a nossa paixão.

Com o olhar fixo no horizonte,
O marujo contempla a imensidão.
Tanta água e tanto céu,
Mas nada sacia-me o coração.

A noite é solitária,
Escura e de desmesurada beleza.
Nela vejo o brilho dos teus olhos,
No revérbero da luminescência

memorável das estrelas.

(Leia outros poemas do autor emhttp://verdadenapratica.wordpress.com)

Luis A R Branco

 

======================================================================

 

 

O insuperável Luis Gaspar, (E) dono de uma voz interpretativa das mais sensacionais de Portugal, aceitou o convite de participar desta página e nos indicou a poeta portuguesa JudithTeixeira cuja poesia, 'Volúpia', é ditada por ele, (no vídeo), de forma magnífica.

A poeta nasceu em Portugal,

25 Jan 1880 // 17 Mai 1959.

 

Página poética 30.05.2015 (b)

Escrito por Mhario Lincoln em 05/06/2015

 

 

 

 

 

Myriam Hypolito - uma de nossas colaboradoras especiais da página poética, indicou GABRIEL GARCÍA MÁRQUES

"Podes ser somente uma pessoa para o mundo,

mas para alguma pessoa você é o mundo..."

G.García Márques

 

=============================================================================================

 

================================================================================

Sugestão de:

sua escolhida.

 

 

 

Florbela Espanca, poetisa portuguesa.

* 8/12/1894, Vila Viçosa, Portugal

+ 8/12/1930, Matosinhos, Portugal

 

 

Amar!

Florbela Espanca

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda

a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...

 .
 

Página poética 30.05.2015 (c)

Escrito por Mhario Lincoln em 05/06/2015

Do editor. Homenagem Honrosa à poeta portuguesa,

Otília Martel,em cujo último livro foi publicado meu longo posfácio.

 

Os dados biográficos de Otília Martel são, enquanto escrevinhadora, a emoção que gosta de transmitir através das palavras que oferece a ler. É esse o seu verdadeiro cartão de visita. Semestralmente, desde 2004 tem publicado na Revista Singularidades, Modos de Ser Inconformista.

Em 2008 edita o seu 1º livro de poemas, Menina Marota Um Desnudar de Alma.

Em 2014 edita o seu 2º livro de poesia e pequenas histórias Olhos de Vida.  

Participações:

2008 - Antologia “Aurora de Poetas” / 2009 - Antologia Os Dias do Amor, um poema para cada dia do ano./ 2012 - III Volume da Antologia Entre o Sono e o Sonho./ 2013 - Semestralmente, na revista Letra a Letra / 2013 - IV Volume da Antologia Entre o Sono e o Sonho./ 2013 - I Volume de Palavras de Cristal, Colectânea de Poesia. /2014 - II Volume de Palavras de Cristal, Colectânea de Poesia /2015 - III Volume de Palavras de Cristal, Colectânea de Poesia. / Ainda, em 2012, edita em versão digital para iBooks, o seu livro de poemas e pequenas histórias Olhos de Vida.  

 

Foi representante portuguesa no Jornal Digital Mhário Lincoln do Brasil, entre muitos.. O seu nome consta em vários sites portugueses e brasileiros bem como em várias colectâneas integradas na internet. Patrocinou vários Concursos de Poesia que deram a conhecer novos poetas entre Portugal e Brasil.

 

É detentora de 6 blogues maioritariamente dedicados à divulgação de poetas e poesia.

http://meninamarota.blogspot.pt/

http://almaminha.blogs.sapo.pt/

http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/http://roseiraldoamor.blogspot.pt/

http://portuguesapoesia.blogspot.pt/

http://meninamarota.blogs.sapo.pt/

 

NO SUSPIRO DA NOITE

(*) Otília Martel

 

Floresces-me no poema

retido no céu-da-boca

água de nascente  

molhando os bicos do monte

inebriados pelos caminhos

que conduzem à seiva da rosa.

Quarto crescente de

uma lua de estrelas,

em ramos entrelaçados,

faiscando na fogueira

de todos os sentidos.

No suspiro da noite,

que explode

na relva húmida,

o fruto acereja

na árvore exuberante de vida

e nos seus braços se recolhe

como flor esperando o dia.

MOMENTOS

(*) Otília Martel

 

Não me apetece dizer o que penso,  

o que sinto, o que sou.  

Não me apetece dizer-te 

para onde vou, onde estou 

o que senti.

Não me apetece manifestar meus afectos,  

meus carinhos, pedir um beijo,  

roçar teu corpo em mil desejos.

Não me apetece dizer 

quantos orgasmos tive,  

quando me possuías loucamente.

Não me apetece dizer o que sinto 

quando o frenesim da tua boca 

roça as minhas coxas 

e me deixas louca de tesão.

Não me apetece!  

E apetece-me tudo ...

 

=============================================

Fernando Pessoa nasceu em Lisboa, em junho de 1888, e morreu em 11/1935, aos 47 anos, de uma cirrose hepática. Sua última frase foi escrita na cama do hospital, em inglês, com a data de 29/11: ‘I know not what tomorrow will bring’ (Não sei o que o amanhã trará).

 

Presságio

 

(*) Fernando Pessoa

 

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…

 

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…

 ===============================================================
 

Marina Tsvetáieva foi indicada pelo poeta gaúcho (Passo Fundo, RS, 1947),

Pedro Du Bois,também contista brasileiro. Reside atualmente em Balneário Camboriú, SC. Du Bois é vencedor do Prêmio Literário Livraria Asabeça, categoria poesia, pelo livro Os objetos e as coisas,da Editora Scortecci, São Paulo, 2005. É ganhador de outros importantes concursos nacionais de contos e poesias.

 

 

DISCURSO

Estéril discurso

onde a promessa

esvoaça

plumas idealizadas

das asas do anjo

sem sexo.  

 

(Du Bois)

 

 

 

 

 

==============================================================================

SHAKESPEARE foi indicação do poeta, escritor e blogueiro literário ELVANDRO BURITY, premiado com distinções na França e em outros países. Diz ele sobre a escolha: 

"Ao apresentar William Shakespeare sinto-me retornando no tempo e no espaço aos idos de 1970 quando, residindo na Inglaterra, visitei a cidade Stratford-upon-Avon onde nasceu ​William Shakespeare poeta e dramaturgo inglês.

A pequena cidade de Stratford-upon-Avon respira sua vida e sua obra por todos os cantos.

Em verdade, àquela época, o tour guiado conduziu-me através dos cômodos da casa onde nasceu aquele poeta. Um tour que em mim despertou o gosto pela poesia. Mas, que fique bem claro estou anos-luz atrás do talento e criatividade do Mestre Shakespeare."http://pt.wikipedia.org/wiki/Elvandro_Burity

 

Soneto 76

Shakespeare 

Por que meu verso é sempre tão carente
De muta
ções e variação de temas?

Por que não olho as coisas do presente
Atrás de outras receitas e sistemas?
Por que só escrevo essa monotonia
Tão incapaz de produzir inventos 
Que cada verso quase denuncia 
Meu nome e seu lugar de nascimento?
Pois saiba, amor, só escrevo a seu respeito
E sobre o amor, são meus únicos temas. 
E assim vou refazendo o que foi feito, 
Reinventando as palavras do poema.
Como o sol, novo e velho a cada dia,
O meu amor rediz o que dizia. 

 

Displicência ou Incompetência ou Descoragem

Escrito por Mhario Lincoln em 04/06/2015

(*) Mhario Lincoln

Olho para Curitiba (PR) onde moro hoje e me lembro de quando cheguei aqui há 11 anos com aquela ideia nordestina de que a capital do Paraná era realmente um Eldorado. Isso porque fui convencido pelo então ex-prefeito, depois governador, urbanista Jaime Lerner, através da vasta propaganda de TV, rádio e jornal que Curitiba era o novo Eldorado brasileiro.

O tempo passou e hoje sinto nas veias o que Curitiba se transformou, mesmo que, ainda, seja uma cidade superinteressante e muito bem urbanizada. Paramos aí! Mas se compararmos inúmeras outras capitais brasileiras (falo somente das capitais) a história vai se tornando triste e sinistra ao mesmo tempo.

E de quem é a culpa? Não entro nos detalhes políticos. Quero discutir aqui, nestas minhas poucas linhas, a questão humana e social. E são exatamente esses arcabouços não tão complexos que muitos dos atuais prefeitos não se alinhavam. Por isso o título. Seria por displicência, incompetência ou Descoragem (pós-campanha eleitoral e encarando a realidade nua e crua da cidade?).

Imagina-se ser o Brasil um país rico. Bilionário, a começar pelo espírito de seu povo e pela subserviência da sua maioria eleitoral. Mesmo assim (e por causa disso), os dirigentes municipais se acercam de projetos inacabados e ilusões de ótica para mostrarem a essa parcela subserviente, ora, que falta dinheiro para investimento, ora porque planejam bem e demoradamente para construírem algo definitivo para a melhoria do povo.

Balela! Quem quer faz. Com pouco dinheiro faz. E esse pouco é muito, se analisarmos taxas e impostos municipais, verbas federais etc., recebidas mensalmente. Pois bem. Agora eu pergunto: Por que lá fora costuma ser diferente?

Exemplo maior está vindo agora da cidade de Barcelona, na Espanha, cuja população da região briga, inclusive, para se separar dos mandos do Rei. Navegando no Youtube, vi um discurso de um dos candidatos à Prefeitura de Barcelona. E esse foi um dos motivos para escrever este texto. Atitudes como vou relatar abaixo, talvez tenham origem na formação sócio-humana das pessoas daquele lado do Mundo, que incidam em decisões como essas, as quais cito agora, através das palavras da jornalista Mariana Bastos, publicada na revista Carta Capital.

“Eu ia embora caminhando para pegar meu filho no colégio depois da entrevista, e o jornalista me disse: ‘Vou te acompanhar. Você não pode ir sozinha. Alguém pode te atacar’”, contou entre risadas Ada Colau, (foto) a recém-eleita prefeita de Barcelona, em um comício. “Disse que não queria sua companhia. Quero fazer política de forma diferente, poder caminhar na rua como prefeita, buscar meu filho no colégio. ”

A anedota revelada durante a campanha é apenas um exemplo entre tantos do que Colau e a coalizão da qual faz parte, a Barcelona en Comú, pretendem: uma nova forma de fazer política que sirva de referência para o mundo.

A cidade, que nas últimas décadas apresentou-se como um modelo urbanístico a ser seguido, sobretudo por aquelas interessadas em sediar os Jogos Olímpicos (incluindo o Rio de Janeiro), foi também fortemente afetada pela crise econômica. A retração da economia iniciada em 2008 deixou um rastro de despejos, altas taxas de desemprego da população jovem e aumento da desigualdade social. Nos últimos quatro anos, a diferença de renda entre os 10% mais ricos e os 10% mais pobres da cidade cresceu 40%.

Segundo ela, a cidade tem condições para mudar essa situação e pode ser exemplo de governar com cidadania. “Em Barcelona, temos um tecido social militante e organizado acima da média de outras cidades e esse é nosso maior tesouro”, afirma. “Se você consegue liderar um projeto coletivo no qual todos contribuem com um grão de areia, você tem a garantia de êxito”.

O programa de governo do Barcelona em Comú indica que a proposta pode ter efeito. A plataforma foi costurada nos últimos sete meses contando com ampla participação popular, sobretudo das associações de bairro e de representantes de movimentos sociais (imigrantes, LGBTs, feministas, entre outros). A forma de organização do Barcelona em Comú foi marcada pela horizontalidade, compondo uma rede. Tudo para atender os anseios de uma juventude que reivindica participação política.

Entre as propostas da coalizão e da nova “alcaldessa” estão o banimento dos carros oficiais para autoridades e um teto salarial de 2,2 mil euros líquidos (cerca de 7,6 mil reais). O valor é bem inferior ao que ganha o atual prefeito, Xavier Trias (cerca de 11 mil euros). É baixo até mesmo para os padrões brasileiros. Fernando Haddad (PT), prefeito de São Paulo, por exemplo, ganha cerca de 23 mil reais por mês. “Parece pouco, mas mais da metade dos habitantes de Barcelona vive com menos de mil euros por mês”.

Alçada a grande fenômeno eleitoral da Espanha no domingo 24, do mês passado, a jovem política de apenas 41 anos é o símbolo maior dessa transformação. Feminista, criada em um bairro de classe média baixa, ex-líder de uma organização de defesa dos despejados pela hipoteca, militante dedicada de direitos humanos, Colau tem um perfil que em muito destoa dos engravatados costumeiramente eleitos para postos governamentais.

Bom, de uma coisa algo se sobressai para, pelo menos, explicar o inexplicável. Seria, aqui no Brasil, muito mais Displicência ou Incompetência ou Descoragem ou muitos, mas muitos dos políticos/executivos sempre, sempre e sempre, invés de misturarem-se aos problemas do povo - ou ao povo e ir buscar os filhos no colégio ou sentar num banco no meio da praça como um cidadão que está à serviço do povo e não o inverso – ele faz é contratar seguranças, comprar carros blindados, aumentar seus próprios salários com corrupção e propinas, mudar de moradia, trocar a chave da fechadura do coração e sempre, sempre e sempre, colocam a instituições acima de suas personalidades, como se a partir de suas eleições, a cidade ou estado ou o país fossem exclusivamente patrimônios seus, sob suas ordens, sob seus caprichos, sob suas orientações e ponto final.

É, talvez a formação sócio-humana influencie as cabeças executivas deste país. Já em Barcelona, outras cabeças também influenciaram a formação política por lá. Mas de certa forma, bem diferente da nossa. Afinal, encerro o texto com a declaração da nova prefeita de Barcelona que disse à repórter, citada no primeiro parágrafo deste texto:

“Nossa campanha tem muito a ver com os processos de mobilização cidadã dos últimos anos, cujo ápice foi o 15M, no qual as pessoas saíam às ruas para dizer: ‘essas instituições não nos representam’", afirma. "E denunciavam que havia uma convivência muito forte entre os poderes econômicos e os principais partidos [PSOE e PP] que governaram nos últimos 40 anos. As instituições não estão à altura da sociedade atual. Temos de atualizá-las, democratizá-las e colocá-las a serviço das pessoas”, afirmou Colau, que saiu às ruas durante o 15M mesmo tendo um bebê de um mês em casa.

Lá, quando a coisa está errada, mudam. Aqui, presenteiam com mais 4 anos. Brutal diferença.

Mhario Lincoln, jornalista sênior.

Editor do site www.domeulivro.com.br

A Timidez e a Libido

Escrito por Mhario Lincoln em 03/06/2015

Editorial de Hoje:

(*) Mhario Lincoln

Fotos públicas, já publicadas na internet

 

Enquanto aguardava para uma consulta médica de rotina, li numa dessas revistas especializadas, algo que me fez voltar ao parágrafo várias vezes para realmente me convencer do que lá estava escrito: “As mulheres mais tímidas são as mais eficientes quando têm que doar libido ao parceiro. Aliás, no âmbito da psicologia, a libido é fundamental para entender o comportamento humano, porque o condiciona e é vista como a energia que direciona os instintos vitais”.

“Doar libido”. Algo complicado para que eu entendesse, realmente, o significado dessa ação. Porém, de volta ao escritório fui procurar fontes relevantes. Entre vários assuntos, além da libido, outro me chamou a atenção, mas os assuntos estão interligados, sem dúvida. Leia que pérola:

“Com o advento das redes sociais, é comum se ver mulheres e homens com a síndrome de Narciso. Publicam fotos em poses atrativas, com roupas coladas em seus corpos, suados ou suadas nas academias, com o bumbum arrebitado, em selfies nos espelhos da vida (...)”.

Continuei lendo a reportagem até chegar a uma pesquisa – pasmem, porque eu fiquei pasmo – onde foram ouvidos a intimidade de 2 mil pessoas (homens e mulheres) escolhidas nas redes sociais, “useiras e useiros em postagens semi-íntimas no Facebook e no Instagram”.

Virou febre selfies semi-eróticos nos banheiros das Academias de Ginástica

E nessa pesquisa algo extraordinariamente diferente do que eu pensava, até, então: “72% das pessoas que se mostram em poses semi-eróticas no Facebook confessaram ser “muito seletiva na hora de ir para cama e de muito pouco prazer a dois”. Isto é, no meu bestunto, pessoas completamente inseridas na tal Síndrome de Narciso, onde cultuam o corpo com um prazer, de forma auto-excitante, preferem o êxtase, muitas vezes, à sós.

No Instagram o índice foi bem maior: 89% das pessoas que publicam seus selfies em poses semi-eróticas, “não se relacionam bem com seus parceiros ou parceiras na cama, quando estão à dois”.

Foram publicadas entre 2013 e 2014, no Brasil, nessas duas redes sociais, segundo a mesma pesquisa, “142 mil fotos semi-eróticas”. Mas com um detalhe: Uma mesma pessoa chegou a publicar, em sequência, 82 fotos num único dia, em posições diferentes, com destaque para a parte traseira de seu corpo”.

Não há distinção entre homens e mulheres quando o assunto é "selfie narcisista"

Assim, diante de tantas informações que me deixaram meio atordoado, liguei para uma amiga que é psicóloga, especializada em casais problemáticos e ela me disse, confidencialmente (por isso não vou divulgar o nome dessa profissional), que a coisa vai mais longe. No segundo semestre de 2014, ele atendeu 17 casais, sendo que 9 deles, com problemas graves de relacionamento sexual.

Todos os 9 se conheceram nas redes eles (homens e mulheres) foram atraídos pelas poses semi-eróticas da (o) parceira. Com 2 semanas, os problemas começaram ou por eles darem continuidade a essa necessidade de “mostrar-se para si e para outrem, causando, óbvio, ciúmes; ou por perderem a libido, após dois ou três meses na cama, com a mesma pessoa”, disse-me a psicóloga, que completou:

“Mhario, mesmo em 4 situações (dos 9) onde não houveram ciúmes pela exposição – ao contrário – houve grande satisfação do parceiro (ou ) parceira ver essa exposição, ao final, na cama, os dois, sempre precisavam de algo a mais para estimular a libido, como filmes pornográficos ou strip-tease masculina ou feminina de terceiros, contratados”.

Bom, de uma forma ou de outra – e que me perdoem quem assim proceda – esse é um estudo psico-científico, onde a mulher ou homem tímido, é mais 'avassalador' entre as 4 paredes e, na outra ponta, com base naquele velho ditado, 'cão que muito late, não morde', pouco ou quase nenhuma libido, à dois, "têm quem se mostra muito nas redes sociais", como encerra a análise da pesquisa que eu li. Claro que essa pesquisa não abrange a maioria. Mas me deixou pasmo e cabreiro diante de tantos exemplos diários com os quais a gente esbarra nas redes sociais.

Sempre, juntos!

Mhario Lincoln.

A natureza e o Homem

Escrito por Mhario Lincoln em 03/06/2015

Opinião de Especialista:
 
Calmantes e estimulantes naturais
 

O aumento no ritmo e na duração das jornadas de trabalho é um dos fatores que fez crescer a chamada “indústria do relaxamento”, onde encontram-se as mais variadas práticas, ensinamentos, alimentos especiais e conselhos de especialistas para quem quer levar uma vida mais zen.

 

Geralmente, muitos que procuram pela primeira vez uma alternativa para relaxar não têm muito tempo a gastar com meditação, yoga ou outras atividades reconhecidamente eficazes como relaxantes, e buscam uma solução rápida para problemas cotidianos como estresse, irritação e insônia. Os efeitos obviamente não são os mesmos de um tratamento mais longo e profundo, mas são suficientes para ajudar no relaxamento.

 
Os alimentos (sempre eles) são importantes aliados nesta busca pela paz interior. Crus, preparados ou combinados, possuem propriedades terapêuticas e relaxantes, além de em muitos casos serem extremamente agradáveis ao olfato. Os conselhos clássicos que recomendam chás também não devem ser desprezados - são bons recursos para relaxar.



Abaixo, selecionamos algumas dicas simples e fáceis de seguir, em casa ou no trabalho, para manter a mente e o corpo em ordem.

Calmantes 

Insônia? Use a maçã para acabar com ela! O chá feito com sua casca é altamente relaxante, e para as noites mais frias, uma boa idéia é cozinhá-la: os efeitos sedativos se potencializam.

Vovó já dizia: “tome um chá quente para se acalmar!” Erva cidreira, camomila e erva doce são as campeãs de preferência.

O triptofano é o precursor direto da serotoninaum antidepressivo natural e que ajuda a melhorar o humor, a ansiedade e a insônia. O leite, os queijos, frutas secas, banana e arroz integral são alguns alimentos que contêm este aminoácido, tornando-se calmantes naturais.

Não se preocupe com o mau hálito depois: o alho e a cebola são bons calmantes. O primeiro contém substância que combatem o mau humor e inibem a ansiedade, bastando consumir de um a dois dentes por dia. A cebola já era utilizada desde o antigo Egito para induzir ao sono e ao relaxamento, isso porque é rica em quercetina, um anti-inflamatório natural que funciona como sedativo. Esta substância também está presente na casca de uva e nos vinhos brancos e tintos.

O mel é utilizado há séculos como indutor do sono tranquilo. Prefira-o no lugar do açúcar refinado em sucos e chás, por exemplo. Frutas bem doces também servem para desacelerar o cérebro.

Estimulantes

Um alento para quem ainda recorre ao café, bebidas energéticas e ao cigarro como fonte de estímulo ou “para acordar”: não é preciso castigar tanto o corpo com o consumo desses itens, alguns alimentos naturais podem ter efeito igual ou até superior na tarefa. Alguns deles são indispensáveis e fáceis de preparar.

Para manter a energia constante, a dica são os alimentos com carboidratos complexos: batatas, aipim, cereais, feijões e frutas, mantém a taxa de açúcar no sangue equilibrada, aumentando a disposição e o bom humor.

Uma má notícia para os viciados em café: ainda que muita gente só consiga sair de casa com pelo menos uma xícara, completando o consumo com vários cafezinhos durante o dia, o consumo de cafeína deve ser evitado. Apesar de reconhecida como estimulante, ela cria reações de nervosismo, depressão e insônia, aumentando a ansiedade e o estresse. Chá preto e mate também entram neste time.

Sabe aquela moleza e sensação de fadiga após devorar uma sobremesa? É culpa do açúcar refinado, que estimula a produção de insulina no corpo. Prefira doces à base de frutas, que contêm açúcares simples e que não despertam tanto cansaço.

O ácido fólico é um ótimo antídoto contra o mau humor. A deficiência deste ácido também tem sido associada à depressão, pois leva à diminuição das taxas de serotonina no cérebro. Frutas cítricas, espinafre, feijões, brócolis e abacate são boas fontes para conseguir melhorar o humor e a produtividade.

Estes alimentos são de fácil acesso e muitas vezes terminam esquecidos por conta das refeições rápidas ou dos cardápios desbalanceados a que estão expostos quem almoça fora de casa. É fácil mudar alguns hábitos e privilegiar aqueles que contêm, além de nutrientes, substâncias que melhoram o ânimo e levantam o astral. Combinando-os com chás, ervas e as outras sugestões, o equilíbrio estará garantido. Seu corpo agradece!

Como envelhecem as feministas?

Escrito por Mhario Lincoln em 01/06/2015

Foto: Rachel Moreno, feminista militante desde meados dos anos 1970: "Quando eu digo que eu tenho 69, as pessoas não acreditam"
 
Mulheres que ajudaram a construir o movimento feminista no Brasil nos últimos 40 anos comentam suas vivências do envelhecimento e os efeitos da maturidade sobre a militância.
 

Aos 38 anos, a filósofa francesa Simone de Beauvoir começou a escrever uma das obras mais importantes do pensamento feminista ocidental. Entre exposições sobre diferentes narrativas sobre a entidade “mulher” (biológica, histórica, mitológica, psicanalítica…), “O segundo sexo” traz também capítulos sobre diferentes fases das vidas das mulheres (brancas, ocidentais e de classe média, é bom salientar).

No capítulo “Da Maturidade à Velhice”, Simone escreve sobre como em certo momento da vida a mulher “é bruscamente despojada de sua feminilidade; perde, jovem ainda, o encanto erótico e a fecundidade de que tirava, aos olhos da sociedade e a seus próprios olhos, a justificação de sua existência e suas possibilidades de felicidade: cabe-lhe viver, privada de todo futuro, cerca de metade de sua vida de adulta”.