Exclusivo: Edomir de Oliveira

Escrito por Mhario Lincoln em 09/03/2015

"A linha da Vida, seria?"


(*) EDOMIR MARTINS DE OLIVEIRA

-Moço, ouvi uma voz infantil e me chamar, por favor, desenhe uma linha para mim, daquela que minha mãe faz costura, disse-me a criança.
O meu pensamento voou para “O Pequeno Príncipe” onde Exupery conta que uma criança pedia: “desenhe um carneiro para mim”.
Confesso que fiquei em apuros. Não sei desenhar absolutamente nada. Aliás se eu dependesse de desenho para sobreviver acredito mesmo que teria sido muito mal sucedido.
Mas, era uma criança pedindo meigamente: desenhe uma linha para mim.
Fiz um esforço sobre-humano. Tracei um rabisco com o lápis na folha de papel que a menina exibia e ela feliz disse: obrigada. Era isto mesmo que eu queria, confessou ela para meu espanto.
E virando-se a criança para a mãe acrescentou, mãe essa é a linha que você usa nas suas costuras.
È impressionante como o olhar puro de uma criança vê as coisas do seu desejo e mais do que isso, como que entendendo as limitações dos seus semelhantes, ainda se dá por satisfeita com o que lhe foi entregue como objeto do que solicitou, ficando ainda muito agradecida e feliz.

Era mais um dia comum na vida de advogado.
O episódio aconteceu quando estava a visitar a 6ª. Vara Cível da Capital em busca de noticias acerca de alguns processos aos cuidados do meu escritório, quando de repente escutei novamente a voz da criança, talvez de uns oito (6) anos de idade, que me chamava:
-Tio eu também vou ser advogada quando crescer.
-Toda vez que minha mãe vem a esta casa eu faço questão de vir com ela. Não entendo bem dessas coisas, mas parece que eu nasci para isto. Gosto de ouvir as palavras direito e justiça.
-Na escola faço meus deveres escolares, escuto as aulas da professora e recebo seus elogios. Moço isso é direito e justiça?
Segurando sua tenra mãozinha, uma senhora dizia para a criança:
-Não perturbe o advogado deixe ele examinar o processo que tem em mãos.
Ao que eu me concentrando na criança, feliz da vida por aquela interrupção, respondi:
-Não tem importância senhora deixe a criança externar seus nobres pensamentos.
A criança de cabelos loiros e olhos azuis olhou-me com profundo amor e me disse:
-Muito obrigada.
O Direito e a Justiça caminham assim: de mãos dadas, pois enquanto o Advogado sai em busca do Direito em defesa dos interesses dos seus clientes o Juiz, zelosa e atentamente, a tudo analisa para aplicar a Justiça.
Verdade é que direito e justiça caminham de tal forma juntos que a sociedade jamais viveria tranqüila se não tivesse os seus direitos respeitados.
Tinha razão a criança.
Na sua inocência, sem saber fazer a distinção, tinha ela um direito: o de fazer seus deveres e escutar as lições ministradas. A justiça estava sendo aplicada quando a professora fazia elogios ao seu aproveitamento e comportamento. E isso gerou na criança um estímulo.
Ela na sua inocência não entendia onde começava seu direito e até onde se estendia a justiça.
Mas, a sua sensibilidade de criança sentia que havia algo muito proveitoso para sua vida.
A sua genitora por seu turno mostrando-se sensível ao diálogo da filha concluiu: essa menina se apaixona muito fácil.
Diz-nos o escritor Mhario Lincoln em seu livro “Guia do Extraordinário poético no Twiter” que “para os apaixonados, a menor distância entre dois pontos não é uma reta, mas o coração”.
Com certeza foi essa reta do coração que me aproximou daquela menina.
Encantou-me o seu modo carinhoso de aproximação inocente e deu-me um belo exemplo de iniciação de diálogo.
E eu, atento a lição de Jesus Cristo sobre o “deixai vir a mim as criancinhas”, ao dizer à mãe que ela era muito bem-vinda, aceitei aquela nova amizade e guardei-a no recôndito do meu coração.

 

 

(*) EDOMIR MARTINS DE OLIVEIRA é escritor, ex-presidente e membro do IHGM, pesquisador literário e professor universitário aposentado.

Especial Raquel Ramos

Escrito por Mhario Lincoln em 08/03/2015

 

*GENTE É PARA BRILHAR...


(Raquel Ramos). Convidada especial do site.


Queremos ou não queremos ser o centro das atenções na mente de um homem?
Quando queremos nos insinuamos para eles, sabemos enviar olhares que dizem mais do que palavras e exalamos naturalmente o cheiro que eles tanto gostam. Ou é mentira?
Você não aceita que ele te veja assim?
Então olhe bem para imagem que ilustra este post e experimente a sensação de enxergar outra mulher ali em seu lugar. Uiiii...esta é da série: Ai como dói...
GENTE É PARA BRILHAR...brilhar os olhos, brilhar a pele, brilhar na fala. Deixe-se brilhar por inteiro. E isto só acontece (abandone o falso moralismo) onde tem prazer e tesão.

Darfur e Miami (J.O.Ramos)

Escrito por Mhario Lincoln em 08/03/2015

Exclusivo

 

Por José de Oliveira Ramos
(O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )

 

 


Criança de Darfur – não muito diferente das crianças de alguns lugares brasileiros

 


Segundo estatísticas oficiais, o Brasil que vive e goza de “democracia” conquistada a partir dos movimentos sociais que levaram milhares de pessoas à Avenida Presidente Vargas, que superlotaram tudo a partir da Central do Brasil – mas há quem afirme que Dilma Roussef é uma “guerreira” porque “lutou” nos porões da ditadura – numa manifestação jamais vista, se mata mais gente que qualquer guerra civil em qualquer país.
Esses números – oficiais, repita-se por necessário! – informam também, que, no Brasil se mata mais e por motivos fúteis ou por conta do tráfico de drogas, que em Darfur, no Sudão.

Podcast Mhario Lincoln - Entrevista com auditor Djalma Medeiros

Escrito por Mhario Lincoln em 04/03/2015

Mhario Lincoln entrevista o Auditor Djalma Medeiros, um dos responsáveis históricos pela construção e melhoramento dos serviços da Receita Federal no Paraná. Foi líder estudantil e teve sua carreira funcional reconhecida nacionalmente. Integra o acervo dos "Grande Brasileiros", deste Portal.

Download MP3: Podcast Mhario Lincoln 001 - Entrevista com Auditor Djalma Medeiros

Crendices no caminho da Fé

Escrito por Mhario Lincoln em 01/03/2015

por José de Oliveira Ramos
(O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )

 


Deixando de lado o fanatismo e muitos exageros, a Fé muda o comportamento e, com isso, acaba mudando também as pessoas. A Fé, expulsa os medos mandando-os às favas. A forma de como demonstrar e praticar a Fé, é apenas o que muda de um povo para outro. Mas a Fé será sempre a mesma.
O que sempre foi sabido por todos, é que qualquer Fé religiosa leva sempre a um Deus uno. Todos sabem e acreditam (têm Fé) que Deus “existe” e é um só para todas as religiões.
Mas, para os estudiosos é incompreensível que, quem praticou errado (chamemos de “pecado”) tantas coisas e repetidas vezes, de uma hora para outra consiga se redimir, pedir “perdão” ao seu “Deus” e com toda Fé, mude o comportamento como um raio. Mas, também há quem afirme que isso é “Fé”.
Mas, será que tem muita “Fé” quem faz promessas a Santo Antônio para conseguir um bom casamento?
Será que tem muita “Fé” quem pede ao seu santo predileto para ganhar no jogo do bicho?
E, o que significa mesmo esses “graças à Deus”, “se Deus Quiser”, “queira Deus”?
Isso tudo seriam apenas crendices?
É muito comum em lares brasileiros o apelo para muitas crendices. E, querendo ter a sorte da participação de alguns leitores, queremos entender o por quê de uma dona-de-casa reclamar tanto do preço de um amarrado de cheiro verde na feira ou no mercado e, em casa, cultivar num vaso um pé de “comigo-ninguém-pode” ou uma “espada-de-são-jorge” ou no jardim um pé de “pinhão-roxo” e acreditar mais nessas crendices que no efeito fitoterápico dessas plantas.

Vejamos:

Espada-de-são-jorge colocada ao lado da porta de entrada da casa
Sansevieria trifasciata - A espada-de-são-jorge ou espada-de-santa-bárbara, (Sansevieria trifasciata ou Sansevieria zeylanica), também conhecida como[língua-de-sogra, rabo-de-lagarto e sanseviéria, é uma planta herbácea de origem africana.
Além do seu uso ornamental, as espadas-de-são-jorge são também conhecidas como plantas de proteção contra o mau-olhado, devendo ser colocadas próximo à entrada das casas.
Nas Religiões afro-brasileiras, ela é também chamada de espada-de-ogum (quando tem coloração verde) ou espada-de-oxóssi (bicolor, com bordas amarelas). Esta folha sagrada é uma folha gún (excitante, "quente"), sempre presente nos rituais de sasanha e na realização de águas sagradas denominada de abô.
De acordo com pesquisa científica, sansevieria trifasciata: Limpa do ar benzeno, metanal (formol), tricloroetileno, xileno e tolueno. E produz oxigenio durante a noite.

 

 

Comigo-ninguém-pode – há quem afirme que evita o “mau-olhado”
Dieffenbachia seguine (Jacq.) Schott - conhecida pelos nomes comuns de comigo-ninguém-pode e aningapara, é uma planta da família das Araceae muito apreciada como ornamental de interiores, dada a sua tolerância à baixa luminosidade ambiente e baixa umidade relativa do ar. Produz grandes folhas variegadas, com vários tons de verde e amarelo, lustrosas e duradouras, o que o torna muito interessante em decoração de interiores. Em algumas regiões do mundo, a sua popularidade como planta doméstica é acrescida devido à fama que a planta leva de "espantar o mau-olhado e maus-espíritos". 

 

 

 

 

Os benefícios do pinhão-roxo

Jatropha gossypifolia - O pinhão-roxo é uma planta também conhecida como pinhão-de-purga, pinhão-paraguaio, pinhão-bravo, pinhão, pião, pião-roxo, mamoninho, purgante-de-cavalo, american purging nut (inglês), dentre outros nomes populares. Inclui o sinônimo botânico Adenoropium gossypifolium. e pertence à família Euphorbiaceae.
Benefícios do pinhão-roxo - O pinhão-roxo pode ser utilizado como purgativo, uma vez que os glicosídeos presentes na casca de suas sementes agem como estimulantes da musculatura gastrointestinal. Também é útil para o tratamento de gota e outros tipos de reumatismo. Quando usado topicamente, o macerado das folhas possui ação sobre aftas na mucosa bucal e hemostática ao estancar o sangue, vez atua na coagulação do sangue de forma hemaglutinante (aglutina os glóbulos vermelhos do sangue).

 

Fabiana Guedes

Escrito por Mhario Lincoln em 28/02/2015

Benedita presenteia com Camisa Dudalina e Desconto em Ensaio Fotográfico

(*) Blog da Fabiana Guedes (convidada especial).

 
 
Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, a boutique Benedita, em Castro, lançou sua Promoção Cultural "Dia Internacional da Mulher de Benedita".
Para participar, é fácil: basta criar uma frase com as palavras BENEDITA e MULHER e escrevê-la acompanhada da hashtag #EuUsoBenedita na Fan Page (https://www.facebook.com/BeneditaBoutique) da loja ou em seu Instagram (http://instagram.com/lojabenedita).
Cada participante pode criar quantas frases desejar e incluí-las de modo gratuito em um dos dois canais de Benedita.
É necessário, também, que o ou a usuário(a), CURTA a Fan Page ou seja seguidor do Perfil no Instagram.
A melhor frase será anunciada na tarde do dia 9 de março e seu ou sua criador(a), levará pra casa uma camisa Dudalina feminina, à sua escolha MAIS um Vale Desconto em Ensaio Fotográfico comigo.
Mais informações já estão disponíveis na Fan Page Benedita e o Regulamento completo, explicando a premiação, prazos e outros detalhes, foi publicado na Seção Notas (https://www.facebook.com/BeneditaBoutique/notes).
Use sua criatividade e PARTICIPE!

A melhor frase criada com as palavras BENEDITA e MULHER leva pra casa uma CAMISA DUDALINA e um VALE DESCONTO para Ensaio Fotográfico com Fabiana Guedes.

Para participar, é fácil:

>>> basta criar uma frase com as palavras BENEDITA e MULHER e escrevê-la acompanhada da hashtag #EuUsoBenedita na Fan Page (https://www.facebook.com/BeneditaBoutique) da loja ou em seu Instagram (http://instagram.com/lojabenedita).

É necessário, também, que o ou a usuário(a), CURTA a Fan Page ou seja seguidor do Perfil no Instagram.

Cada participante pode criar quantas frases desejar e incluí-las de modo gratuito em um dos dois canais de Benedita.

A melhor frase será anunciada na tarde do dia 9 de março nas Redes Sociais da Boutique!

Mais informações estão disponíveis na Fan Page Benedita e o Regulamento completo, explicando a premiação, prazos e outros detalhes, está publicado na Seção Notas (https://www.facebook.com/BeneditaBoutique/notes).

Use sua criatividade e PARTICIPE!

 

 

 

 

SAIBA MAIS SOBRE OUTRAS PROMOÇÕES E LOJAS PARCEIRAS DE FABIANA GUEDES FOTOGRAFIA NA FAN PAGE

https://www.facebook.com/estudiofabianaguedesfotografia

Tem mais novidades vindo por aí!

 

Acompanhe as coberturas fotográficas e ensaios fotográficos personalizados by Fabiana Guedes no SITE OFICIAL

www.fabianaguedes.com

 

Badalações, moda, arte e cultura em Castro, Curitiba e todo o Sul do Paraná você confere no

BLOG FABIANA GUEDES POR AÍ

http://fabianaguedesporai.blogspot.com.br/

 

,

Sobre o Impeachment de Dilma

Escrito por Mhario Lincoln em 27/02/2015

A entrevista de Mhario Lincoln ao jornalista Hélcio Silva.

 

(*) Matéria publicada originalmente no Blog do Hélcio Silva: http://blogdohelciosilva.blogspot.com.br/

O "Impeachment" ou impugnação de mandato é um termo que está muito em voga nas redes sociais brasileiras ultimamente. Esse termo denomina o processo de cassação de mandato do chefe do poder executivo pelo congresso nacional, pelas assembleias estaduais ou pelas câmaras municipais.
A denúncia válida pode ser por crime comum, crime de responsabilidade, abuso de poder, desrespeito às normas constitucionais ou violação de direitos pátreos previstos na Constituição. À título de esclarecimentos, ontem conversei longamente com o jornalista e advogado Mhario Lincoln, foto, maranhense que mora em Curitiba-PR, ex-candidato a vereador (SLZ) pelo PMDB/PTC, sobre o clamor das ruas pró-impeachment da presidente Dilma.
Mhario deu sua opinião jurídico-política sobre o assunto e esclareceu algumas dúvidas com relação a esse instrumento "mais político que jurídico, diz ele ao citar o entendimento do professor Ives Gandra: ' juridicamente o processo tem sentido, mas depende do Congresso, e lá o julgamento é político', tal qual, usado pela primeira vez no Brasil, quando do impedimento do ex-presidente Fernando Collor de Melo."
Mas, o próprio Fernando Henrique Cardoso, também já havia passado por situação parecida quando, no início do seu segundo mandato, em 1999, ocorreu a passeata dos 100 mil pressionando os deputados da Câmara Federal a acatar a denúncia de impedimento de FHC.
"Como FHC tinha a maioria na Câmara o impeachment não se concretizou porque tudo começa no acatamento da denúncia por 2/3 dos deputados, que em seu total somam 513", diz Mhario na entrevista.
Quanto ao atual movimento para derrubar a presidenta Dilma Rousseff, Mhario enfatiza a força dos movimentos populares, mas ressalva "que se não houver pressão popular diretamente dentro da Câmara Federal, o risco de naufrágio da intenção democrática é grande, como já naufragaram outros 12 pedidos de impeachment de Dilma, todos, devidamente arquivados na Câmara Federal", explicita.
Por fim Mhario Lincoln se preocupa, igualmente, com a "banalização desse instrumento tão importante para a democracia brasileira. Para se ter uma idéia, a cada novo presidente que assume o país, inclusive o FHC e Lula foram alvos de manifestações pró-impeachment. O Lula na época em que explodiu o Mensalão. Acho que as coisas devem ser feitas com caluda, a fim de que ofereçam resultados e essas manifestações, sob a égide de denúncias graves, não acabem arquivadas pela Câmara Federal, onde tudo começa".

Leiam a íntegra, abaixo.

Hélcio Silva: VC acha que o Impeachment de Collor é agora 'peça de museu', como disse o ex-senador Paulo Brossard?

Mhario Lincoln: No caso atual, como episódio isolado, sim. Nas condições em que o parlamento nacional se encontra com maioria esmagadora de Dilma, não haverá impeachment. Basta lembrar que no começo do segundo mandato de FHC, houve um levante popular quase idêntico ao de hoje levando cerca de 100 mil pessoas às ruas, pedindo o impedimento do Presidente da República. Como FHC tinha maioria na Câmara Federal, nada prosperou.

HS-Então você concorda em definir o instrumento do Impeachment como 'peça de museu'?
ML- No todo, nunca! Acredito que o impeachment, guardadas suas respectivas atualizações, é uma importante peça de defesa jurídico-social e estará sempre à disposição do cidadão brasileiro. Seja no caso da corrupção política e administrativa ou no desrespeito ainda maior ao Estado Democrático de Direito.

HS-Vc diz 'político-administrativo'. Por que?
ML- Porque essa ferramenta constitucional é antes de tudo político-administrativa. Mais político que jurídico, entendimento, inclusive, o mesmo do professor Ives Gandra: 'juridicamente o processo tem sentido, mas depende do Congresso, e lá o julgamento é político'. Todo o processo se desenrola quando o Legislativo (Câmara Federal) acata a denúncia contra o Presidente da República e coloca em votação. Caso 2/3 dos deputados aprovem a medida, o processo então é submetido ao Senado. Portanto, a lei sugere o caminho. Quem julga é o Legislativo. Portanto, o poder político. Mesmo tendo tipicidade jurídica, o julgamento sempre será político.

HS- No caso específico de Dilma?
ML- O impeachment tem que começar pela Câmara Federal e terminar no Senado. Ora, a esta altura, com o PMDB sendo dono de alguns dos mais importantes Ministérios de Dilma e sendo esse partido, o fiel da balança, acho muito difícil a Câmara com seus 513 deputados, sendo 70 do PT e 66 do PMDB, perfazendo um total de 136 deputados, incluindo aí mais algumas dezenas de 'dependentes' do governo Dilma, acatar tal instrumento moralizador. Sendo um julgamento político, como funcionaria a consciência de cada um parlamentar cassando Dilma e abrindo o processo eleitoral novamente?

HS- Quer dizer então que o Vice não assume?
ML- No momento atual, não! Eu pergunto: interessaria ao PMDB derrubar Dilma e seu vice? Michel Temer também iria na enxurrada pois, se o impeachment acontecer antes dos dois anos do mandato atual, são convocadas novas eleições. Após dois anos, a decisão fica na mão do Congresso. Tem um detalhe bem interessante nisso tudo: Quem for eleito nos dois casos não fica por mais quatro anos, apenas respeita o tempo restante do mandato impedido.

HS- Então o Aécio tem chances?
ML-Aí vem o velho questionamento: E Aécio Neves. Onde ele entra? Em primeiro lugar não é tão estranho se pensar em Aécio. Ele mesmo poderia disputar nova eleição ou simplesmente (em caso extremo) ser eleito pelo Congresso. Considerando seu resultado nas últimas eleições, é um nome forte. Mas acredito que ele não estaria com tanto interesse em pegar o resto do mandato de Dilma, na atual conjuntura. Ele mesmo já disse isso, após as eleições do ano passado, (2014).

HS- E Cunha, Calheiros e Lewandowski?
ML - Tanto o Cunha, o Calheiros ou Ricardo Lewandowsk, na hierarquia da substituição da Presidência da República: presidente da Câmara dos Deputados, presidente do Senado e presidente do STF, respectivamente, podem somente ' substituir' o Presidente e o Vice, temporariamente, no caso, enquanto o processo de impeachment ocorrer. Além das substituições normais quando essas autoridades estão fora do país.Todavia, em nenhuma hipótese se manteriam no cargo sem serem candidatos oficiais ao posto. Basta ler o que está singrado na Carta Magna do país.

HS- Então, na conjuntura atual, é sonho a busca do impeachment de Dilma Rousseff e o chamamento pra isso no dia 15 de março de 2015?
ML- O chamamento não é um sonho. É uma manifestação democrática legítima, como a passeata dos 100 mil do FHC ou o movimento dos caras-pintadas do Collor. Todavia, a legitimidade do impeachment só se dará dentro da Câmara Federal, ao ser acatada a denúncia, sendo da responsabilidade única e exclusiva (sem golpe, claro) dos 2/3 dos 513 deputados. Aceita a denúncia de irregularidades constitucionais ou afronta ao Estado Constitucional de Direito, a peça, então, é removida para o Senado para aprovação igualmente por 2/3 dos senadores. Nesse ínterim, o Presidente da República estará com atividades suspensas por 180 dias. Um detalhe: Quando se tratam de crimes comuns cometidos pelo Presidente da República, o julgamento é feito pelo Supremo Tribunal Federal. Mas se são crimes de responsabilidades, é o Senado que julga. E como eu disse, nessa fase, o presidente da República fica suspenso temporariamente do cargo, e o vice-presidente, no caso atual Michel Temer (PMDB), assume.

HS- A partir daí, como se desenrola o processo?
ML - Bom, o Senado vai ouvir testemunhas, colher provas, tendo responsabilidades parecidas com o do Judiciário. Isso tudo para tornar os trabalhos de apuração mais imparciais possíveis. Mas é o presidente da Corte Máxima do país quem preside a sessão de julgamento. Ou seja, Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

HS- Soa estrando o presidente do STF presidir o processo no Senado, não?
ML - O fato de o presidente do STF presidir o processo é porque o 'réu', vamos dizer assim, é o Presidente da República. Serão mais de 200 milhões de brasileiros que indiretamente também estarão envolvidos nesse processo, além do futuro da Nação. A presença do presidente do STF garante, à princípio legal, o mínimo de lisura e cautela, a fim de não transformar essas sessões em um espetáculo esdrúxulo. Detalhe: O presidente do STF não vota, só dirige os trabalhos. Para deferir o impeachment, então, seriam necessários dois terços dos votos dos senadores. Isto é, 54 senadores terão que votar pela condenação do Presidente (ou Presidenta da República).

HS - Quanto às penas, Mhario Lincoln
ML - As penas nesse caso são necessariamente a perda do mandato e do cargo, essa a principal, e outra que poderia ser a inelegibilidade do ex-presidente por oito anos. Mais uma vez, aí, é o Senado que, também, define se o presidente perde o mandato e fica inelegível, ou se apenas perde o cargo. Nesse caso específico, o vice-presidente, então, assumiria o posto, passados mais de 2 anos do mandato impedido. (Antes disso, novas eleições). É bom lembrar o seguinte: Nos dois primeiros anos de mandato, novas eleições são chamadas em 90 dias, e nos dois últimos, é o vice-presidente quem assume. A mesma regra ocorre quando há a vacância do vice-presidente da República, por morte, renúncia, ou quando é condenado.

HS - No caso específico de Dilma Rousseff, qual a sua opinião?
ML - Basta ler a página da consultoria jurídica da Câmara Federal para se concluir que desde 2011, (doze) 12 pedidos de impeachment foram protocoladas contra Dilma. Mas a Casa já rejeitou esses pedidos. Todos pelo mesmo motivo: inconsistência jurídica, alguns, “por falta de tipicidade e/ou indícios mínimos de autoria e materialidade”. Três dessas solicitações foram apresentadas em meio à disputa presidencial. Ora, não se deve banalizar esse precioso instrumento de controle do Estado de Direito. Especialmente, quando pedidos sem fundamentos probatórios acabam distorcendo a realidade e mudando o foco maior da denúncia. Essa deve provar com consistência a relação da Presidenta com algum crime de responsabilidade contra o que está previsto na Constituição – entre eles, o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais, a segurança interna do País, a probidade na administração, a lei orçamentária, o cumprimento das leis e das decisões judiciais, entre outros enumerados pelo Art.85, da CF. Parlamentares da oposição (ou que se dizem da oposição), deveriam se engajar de corpo e alma na busca concreta dos documentos comprobatórios das denúncias para dar escopo jurídico denunciativo a tudo que foi amplamente divulgadas na imprensa nacional e internacional e, assim, organizar uma monstruosa manifestação dentro do Congresso Nacional. Gostaria muito, no entretanto, que só o povo com sua força e coragem, fossem estacas de aço para perfurarem de morte o pulmão da corrupção. Mas só essas manifestações, nesse caso específico do impeachment, só resolvem, se cooptarem membros do legislativo, pelo menos algumas dezenas dos 513 deputados, os quais, 2/3 deles, poderiam ser responsáveis pela aceitação dessa medida política contra a Presidenta da República. Essa é minha opinião sóbria, sem exageros psicodélicos, muito menos radicalismo, sobre o assunto. Muito obrigado, Hélcio Silva, data vênia outros, um dos últimos democratas brasileiros de verdade!


(*) Mhario Lincoln é jornalista, advogado (autor de dois livros de Direito Administrativo), escritor e ex-candidato a vereador por São Luís pelo PMDB e pelo PTC, onde assumiu cargo no diretório estadual do Maranhão. Hoje, Auditor Aposentado.